Páginas

Seja Bem Vindo!

"A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas, não é copiar sua aparência. (Aristóteles)






quinta-feira, 19 de julho de 2018

Artistas reivindicam pagamento de prêmios propostos pelo Governo do Estado de Rondônia

Artistas de Rondônia tentam, há sete meses, receber os prêmios da SEJUCEL

Artistas cobrando providências da SEJUCEL       


Nas últimas semanas, os artistas de Rondônia estão divulgando uma hashtag nas redes sociais, “ #depositaSejucel” na tentativa de sensibilizar o Governo do estado afim de que seja cumprida a Portaria nª 105, publicada no Doe de 07 de setembro de 2017, através do qual se cria o Prêmio Jango Rodrigues iniciativa“que visa atender o segmento do Teatro, sob a responsabilidade da Coordenação de Cultura, por meio do Núcleo de Editais, promovendo assim à ampliação da produção do Teatro do Estado de Rondônia, bem como a desburocratização do acesso aos recursos públicos pelo segmento artístico-cultural em questão, além do aquecimento da economia da cultura em âmbito estadual”. O resultado foi divulgado em Dezembro do mesmo ano, veja o processo http://rincaocultural.ro.gov.br/…/premio-de-teatro-jango-r…/ 
No entanto, até a presente data, os prêmios não foram pagos ou sequer foi produzido qualquer documento que assegure o pagamento dos mesmos, assim, inviabilizando a execução de todos os projetos contemplados. Rafael Barros, artista rondoniense, vencedor do Prêmio de Teatro Jango Rodrigues, propôs projeto na categoria de Residência Artística, em que voltaria ao Museu Bispo do Rosario Arte Contemporânea/RJ, depois de residir lá em 2016, com Norte-Colônia, visando continuidade da pesquisa em saúde mental e performance art. Nesta pesquisa proposta ao prêmio estão a cinegrafista Raissa Dourado e a facilitadora/provocadora Priscila MaiaEm entrevistas ao blog, Rafael afirma que: “Ser selecionado no primeiro edital de teatro não tem sido, até agora, um mar de rosas. A SEJUCEL não tem pressa de pagar artista. Inviabiliza assim, as pesquisas, ações e intercâmbios dentro e fora do estado, não só minhas, mas de uma série de artistas que, junto a mim, foram contemplados. Acredite ou não, artista é profissão. Me programei para realizar minha pesquisa no Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, do RJ, prevista no projeto aprovado, e sem a verba, a pesquisa não tem como iniciar. Todo esse impasse torna impotente nosso esforço, nosso trabalho, nosso nome e - principalmente - a arte rondoniense”.

Luciano Flávio de Oliveira, Professor do curso de Licenciatura em Teatro na Universidade Federal de Rondônia, foi selecionado na categoria montagem e, desde então, desenvolve o espetáculo com alunos do Curso da Universidade, segundo Luciano a estreia estava prevista para julho, mas a data já foi adiada por inúmeras vezes. “É lastimável para os artistas de teatro, é muito ruim para a imagem do governo e mostra todo o descaso dos políticos com a cultura no estado. Surgem iniciativas boas, e os vencedores não recebem. Estou montando o projeto Inimigos do Povo por conta, não paguei ninguém até agora. Nós estrearíamos em julho, adiamos para agosto, agora adiei para novembro, não temos dinheiro para nada. O governo precisa encarar a cultura como negócio, além da importância na formação da cidadania, a cultura gera renda, emprego. Tenho 17 pessoas na equipe que ficaram muito empolgados com o prêmio, com a possibilidade de trabalhar e receber um cachê. Sinto muito pela equipe que está entrando no mercado de trabalho e já passam por essa decepção, pedagogicamente é muito negativo, pois o curso de teatro possui poucos alunos e com essas decepções piora tudo. Espero que a SEJUCEL e o governador, Daniel Pereira, vejam que o retorno ao estado por realizar os editais até o final será muito maior que o investimento”.

Valdete Sousa, artistas rondoniense, selecionada na categoria Festivais com o Festival Amazônico de Monólogos e Breves Cenas que teve duas edições(2015-2016) com edital público do Basa e caixa econômica, respectivamente. Afirma: “Em 2017, não conseguimos realizar o Festival, então ficamos felizes com a seleção no Prêmio Jango Rodrigues. Mas, o Festival corre o risco de não acontecer mais um ano, estava previsto para a primeira semana de Agosto/2018, porém será impossível para essa data. Sabemos que cultura em Rondônia não é prioridade, mas esse pensamento precisa ser mudado, os prêmios pareciam ser essa mudança, mas, no momento, está se revelando o verdadeiro ‘cavalo de tróia’. Muito bom encher a boca para dizer que criou diversos prêmios para a cultura, mas, apenas abrir processos em páginas on-line não produz resultados, tem que cumprir o que promete”.

No dia 05 de julho de 2018, os artistas foram até a SEJUCEL verificar o andamento do prêmio, recebidos pelo Superintendente Rodnei Paes e seus assessores, foram instruídos a procurar a SEPOG.  Parte da comissão voltou à SEPOG, no dia seguinte, para verificar o andamento do pagamento dos prêmios dos editais de cultura e o parecer que os membros receberam foi "Procurem a SEFIN". Já na Secretaria Estadual de Finanças (SEFIN), este foi o parecer: "Procurem a SEJUCEL".

Além do Prêmio Jango Rodrigues, segue no mesmo estado de inércia o Prêmio de Fotografia Dana Merril com diversos artistas aguardando para dar continuidade aos seus projetos. Não contente, a SEJUCEL abriu edital para a 2ª edição dos Prêmios de música “Zezinho Maranhão” e de dança “De Palma” que estão em fase de habilitação, desde o início do ano, sem ter resultado até o momento. Chagas Peres, trabalha com dança de salão em Rondônia há 25 anos, encaminhou proposta para o Prêmio de dança e afirma que a falta de respeito em relação aos artistas  que se inscreveram no edital  causa: “ Imenso prejuízo moral, pois ficamos desacreditados diante da comunidade, ao enviar o projeto, a SEJUCEL solicita que tenhamos definidos os parceiros e os artistas atuantes, no meu caso, são mais de duzentos participantes (pessoas com necessidades especiais, idosos) e seis parceiros da comunidade, são escolas da rede pública que nos forneceram cartas de anuência firmando parceria, isso gerou uma expectativa junto à professores e alunos que passaram a cobrar de mim o início do projeto e até o momento não tenho resposta de quando poderemos iniciar as ações.”

Por fim, é ano de eleições e todas as respostas convergem para as questões burocráticas que envolvem o estado, para a morosidade do sistema, entre outros argumentos. No entanto, o estado teve sete meses para resolver esses impasses e vem literalmente ludibriando os profissionais da arte, que cansados de todos as respostas ensaiadas, e-mail prontos que enviam para qualquer pergunta que se faça, apelam para a publicidade das redes sociais e imprensa.


sábado, 14 de julho de 2018

Oficina de iniciação à Palhaçaria

Valdete Sousa em oficina da Residência Artística SESC-RO/2018

                          A ação é resultado do Projeto Residência Artística SESC-RO/2018 


O Projeto Residência Sesc em Artes Cênicas oferecido pelo SESC-RO se destina a fornecer incentivos, na forma de ajuda de custo, à artistas do interior do estado de Rondônia que tenham interesse e disponibilidade em participar de ações formativas no Sesc Esplanada, em Porto Velho, no decorrer do ano de 2018. Visando democratizar as ações de cultura do Sesc foram selecionados participantes das diversas cidades do interior, para uma vivência artística com profissionais de notória atuação nas Artes Cênicas. As oficinas acontecerão durante os meses de abril, julho, setembro, outubro e novembro. O projeto objetiva oferecer ações formativas em artes cênicas para artistas do interior do estado, e possibilitar a multiplicação dessas ações, dando ferramentas para os agentes culturais locais para continuarem suas atividades. Valdete Sousa, atriz e diretora teatral, dramaturga e palhaça do grupo de teatro Wankabuki participa do projeto.

Visando multiplicar as ações do projeto estão abertas as inscrições para a "Oficina de Iniciação à Palhaçaria" que acontece no espaço da Biblioteca Municipal Monteiro Lobato, nos dias 27, 28 e 29 de Julho/2018. Os interessados em participar da ação devem preencher o fomulário on-line clicando aqui.  Os interessados devem, ainda, ler atentamente  todas as instruções que constam na ficha de inscrição sobre horário e dias das aulas, posto que serão oferecidas um número limitado de vagas(25 vagas) e, o não comparecimento nas aulas, após preencher a inscrição, causará danos à oficina e a outros interessados em participar que ficarão sem vagas. As inscrições seguem até 26 de julho ou enquanto houver vagas. Essa ação é possível pelas ações formadoras do Projeto Residência Sesc em Artes Cênicas oferecido pelo SESC-RO, com apoio da Fundação Cultural de Vilhena. 

Maiores informações podem ser obtidas pelo fone: 98446-6408



segunda-feira, 30 de abril de 2018

Artista de Vilhena participa de Residência em Artes Cênicas em Porto Velho

Artistas de Rondônia reunidos
 O Projeto Residência Sesc em Artes Cênicas oferecido pelo SESC-RO se destina a fornecer incentivos, na forma de ajuda de  custo, à artistas do interior do estado de Rondônia que tenham interesse e disponibilidade em participar de ações formativas no Sesc Esplanada, em Porto Velho, no decorrer do ano de 2018. Visando democratizar as ações de cultura do Sesc foram selecionados participantes das diversas cidades do interior, para uma vivência artística com profissionais de notória atuação nas Artes Cênicas.  As oficinas acontecerão durante os meses de abril, julho, setembro, outubro e novembro.  O projeto objetiva oferecer ações formativas em artes cênicas para artistas do interior do estado, e possibilitar a multiplicação dessas ações, dando ferramentas para os agentes culturais locais para continuarem suas atividades.
Valdete Sousa, diretora, dramaturga e atriz do grupo de teatro Wankabuki foi selecionada para participar do projeto, que recebeu propostas dos participantes, através de edital público. A primeira etapa aconteceu, no Sesc Esplanada em Porto Velho de 23 a 27 de abril, segue ainda a programação de novos encontros em julho, setembro, outubro e novembro. No primeiro encontro, foram ministradas duas oficinas durante cinco dias com oito horas diárias de trabalho:
  • Das 14h às 17h45 Oficina de circo "Onde mora o ser palhaço" com a Mayara Sampaio/SP, Licenciada em Arte-Teatro no Instituto de Artes da UNESP (Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"). Desde o início 2016 têm se dedicado como artista aos estudos da palhaçaria e da comédia popular. Atriz, palhaça e pesquisadora. Estudou e trabalhou na Cia. do Nó (Santo André, Brasil) por 6 anos. Tem como base o estudo de palhaço sagrado de Sue Morrison e o treinamento de performer “Palhaço é Dança” de Silvia Leblon. Seus trabalhos artísticos permeiam a veia da comicidade, o universo das máscaras sagradas, os fabuladores populares e onde estes se convergem;  
  • Das 18h às 22h  Oficina de dramaturgia da luz "Iniciação a iluminação cênica" com o prof. Sávio Araujo/RN, Pós-Doutorado na University British Columbia, Vancouver, Canadá, (2008/2009) - "Arte, Ciência e tecnologia: relações interdisciplinares em Ensino de Teatro" (Art, Science and Technology: interdisciplinary relationships in the teaching of Theater). Doutorado em Educação - PPGEd (2005) TESE - "A Cena Ensina: uma proposta pedagógica para formação de professores de teatro". Mestrado em Educação - PPGEd (1998) DISSERTAÇÃO - "Teatro e Educação: uma visão de áreas a partir de práticas de ensino." Atua como pesquisador nos seguintes grupos de pesquisa: Pedagogias do Teatro e Ação Cultural – UFMA; TEATRO: TRADIÇÃO E CONTEMPORANEIDADE – UFPB; Grupo de Estudos de Praticas Educativas em Movimento - GEPEM - UFRN. Membro Profissional da USITT - United States Institute for Theatre Technology. Áreas de Interesse (áreas de interesse de ensino e pesquisa): Cenografia, Iluminação Cênica, Maquiagem, Figurino, Tecnologia Cênica, Ensino de Teatro e Pedagogia da Encenação, Economia da Cultura.


Além dos conhecimentos adquiridos com os ministrantes, o compartilhamento entre os participantes, as trocas proporcionadas durante a residência, são fatores que contribuem para gerar conhecimento, parcerias e criar uma rede de discussão sobre a produção de arte no estado.

quinta-feira, 8 de março de 2018

Grupo de Teatro de Salvador (BA) se apresenta em Vilhena/RO

                                                                             Foto: Márcio Lima

Espetáculo Seu Bomfim do Território Sirius Teatro (BA) se apresenta em Vilhena/RO em projeto de múltiplas ações culturais



Seu Bomfim fará três apresentações em Vilhena nos dias 23 e 24 de março. O projeto prevê também a realização de 3 workshops - ‘teatro físico’, ‘elaboração e gestão de projetos culturais’ e de ‘fotografia’; ação de mediação escolar, além de encontro-debate com grupos teatrais locais sobre o processo de criação do Território Sirius Teatro. Neste espetáculo, o ator-performer, autor e diretor Fábio Vidal emociona o público com as histórias contadas por Seu Bomfim, repleta de personagens inusitados e experimenta variadas sensações que transitam entre o cômico e o trágico.


A montagem Seu Bomfim, que neste ano comemora 18 anos já transitando por mais 200 cidades brasileiras e européias, continua botando o pé na estrada e em Rondônia, depois de passar por Rolim de Moura, aporta em Vilhena/RO para a realização de três apresentações. Além do espetáculo, neste projeto que conta com o patrocínio da Petrobras Distribuidora, também serão realizados três workshops: ‘teatro físico’, ‘elaboração e gestão de projetos culturais’ e de ‘fotografia’; ação de mediação escolar; além de encontro com grupos teatrais locais, gerando compartilhamento das técnicas e treinamentos empregados no fazer artístico do território Sirius Teatro. A entrada para as apresentações terá preço popular de R$ 10 (inteira) e as demais atividades são gratuitas. Todas as apresentações terão interpretação em Libras e legendas em português.

O encantamento se faz uma reação constante neste espetáculo teatral que transita entre sentimentos e temas distintos. Aqui o espectador ri, chora e se emociona com as histórias contadas por Seu Bomfim, repleta de personagens inusitados e experimenta variadas sensações que transitam entre o cômico e o trágico “num teatro físico e mental que não prescinde das palavras bem ditas”.
Em vários momentos deste espetáculo somos levados a uma vasta seara de questionamentos sobre o tempo, a vida, a loucura e o desconhecido. Deparamo-nos com um homem velho, que narra seu passado, vivido no sertão do Brasil, marcado pela ausência de um pai presente, que se refugia no meio de um rio (“perto dos olhos, mas longe das mãos”).

Este espetáculo possui um grande mérito de se apropriar da matriz Sertaneja de Guimarãres Rosa, presente no conto “A Terceira Margem do Rio”, e retransformá-la, para a linguagem teatral, estabelecendo uma nova criação potente das referencias roseanas. Vemos o sertão explicitado na atmosfera e na linguagem desta personagem primando pela valorização da palavra, trabalhada de forma quase que artesanal, como um ofício, da musicalidade tão característica e na valorização dos elementos físicos como um instrumento de teatralização.

Em Vilhena, as apresentações acontecem no Centro de Treinamento e Cultura - CTC SICOOB-CREDISUL - Sala Expansão, às 20h dos dias 23 e 24 de março. No dia 23 haverá ainda uma apresentação às 15h exclusiva para alunos da rede pública de ensino. "É gratificante ter a oportunidade de aproximar o público de Vilhena aos questionamentos sobre o tempo, a vida, a loucura e o desconhecido levantados por Seu Bomfim, que é comum a qualquer cidadão, esteja onde ele estiver”, afirma Fábio Vidal.


Seu Bomfim, uma realização do Território Sirius Teatro, conta com a direção, atuação e autoria de Fábio Vidal, a direção conjunta de Meran Vargens, assistência de direção de Viviane Jacó, cenário e figurino possuem a assinatura de Moacyr Gramacho, iluminação de Fernanda Paquelet, e maquiagem de Marie Thauront. Completam a ficha técnica do projeto Seu Bomfim que conta com patrocínio da Petrobrás Distribuidora, Márcio Lima e Alessandra Novhais - Fotografias; Mel Andrade - Redes Sociais; Kaula Cordier - Designer Gráfico; Henrique Filho – Produção de VTs; Moisés Victório - Operação de Luz; Nando Zâmbia – Cenotécnico; Evelin Buchegger - Locuções; Dany Matos - Interpretação em Libras; Alessandra Nohvais - Arte Educação; Júnior Cecon - Coordenação de Produção; Operação de Legendagem, Ivone; Valdete Sousa - Produção Local e, Helder Azevedo e Vlady Alves (Biz Comunicação) - Assessoria de Imprensa.



Sinopse
Um contador de histórias, Seu Bomfim, velho e errante homem do sertão, surge contando um episódio sobre um “homem do rio” que deixou sua família e sua vida para se colocar numa canoa, no meio do rio, de onde não sai mais. A partir dessa narrativa Seu Bomfim, narra acontecimentos do seu passado, rememora pessoas e locais, e expõe pensamentos sobre várias questões. Suas estórias, humor, questionamentos e ações levam o espectador a entrar no seu mundo subjetivo colocando em evidência seu drama humano que se encontra enraizado numa cultura sertaneja – nordestina – brasileira.



Projeto de Circulação promove ações formativas

Além das apresentações o projeto possibilita atividades múltiplas que envolvem ações formativas, através de mediação escolar, workshops de ‘Teatro Físico’, ‘Elaboração e gestão de projetos culturais’ e de ‘Fotografia’, além de encontro com grupos teatrais locais. As ações alcançam também pessoas com necessidades especiais, pois foram incluídos nas apresentações tradução em libras e legendagem em português para um acesso mais democrático e uma fruição maior de todos ao espetáculo Seu Bomfim. Todas as atividades formativas são gratuitas. 

As inscrições podem ser preenchidas clicando aqui, os interessados devem preencher corretamente o formulário on-line.





terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Wankabuki estreia Severina

    Valdete Sousa e Shely Lisboa em Severina (2010)  foto: Dennis Weber

O Wankabuki cria nova versão do espetáculo Severina apresentado em curta temporada em 2010. 

Estreia sábado (03 de março), às 20h, na Casa Tai, em Vilhena-RO o espetáculo Severina. Os estudos sobre a personagem teatral entre outras oficinas oferecidas e as pesquisas nos últimos sete anos contribuíram para essa nova montagem.  O espetáculo "Severina" é uma adaptação da obra de João Cabral de Melo Neto, Morte e Vida Severina. 

Na montagem, o espectador compõe a cena, costurando a trama, enquanto se alinhava a história. O público passeia pelo nordeste brasileiro na viagem real pelos caminhos do texto, viajando do agreste ao litoral nordestino. Cada verso é uma vida, e em cada vida estão estampados problemas como o sofrimento passado por muitos brasileiros que vivem em situações sub-humanas, sem perspectiva de vida, em que a fome e a miséria são os únicos futuros que vislumbram.

As vagas para assistir ao espetáculo são limitadas, os ingressos antecipados estão a venda na Casa Tai, das 08h às 17h30min de segunda a sexta-feira. maiores Informações pelo fone 98120-0965 ou 98446-6408. 

SERVIÇO
ONDE: Casa Tai
QUANDO: dia  03 de Março
HORA: 20H
VALOR: R$ 20,00 (antecipado), na bilheteria R$ 30,00






sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Grupo Wankabuki oferece Oficina de Teatro

Alunos da Oficina "A Cena Além dos muros" setembro/2017

Inscrição aberta para  primeira oficina do ano

A oficina de teatro: "A Cena Além dos Muros" está de volta como parte do trabalho de estudos sobre a cena e processos de dramaturgia. O teatro Wankabuki inicia o ano com mais uma oficina  gratuita para a comunidade. A investigação sobre a dramaturgia e os processos que cada ator desenvolve no decorrer de sua criação é parte dessa oficina que pretende preparar atores para atuar no grupo de teatro, ao longo de quatro encontros, perfazendo um total de 20h/a.

A oficina pretende delinear um percurso em que o participante se reconheça através de experimentos corporais, leituras e vivências obtidos através de materiais sendo publicações, relatos de pessoas, fotografias, vídeos com temas escolhidos pelo grupo. A partir dessa oficina desenvolve-se um trabalho conjunto entre os atores do Wankabuki e os participantes. 

O grupo oferece  25 vagas para a oficina que ocorre nos dias 10, 11, 12 e 13 de fevereiro/2018: sábado, domingo, segunda e terça-feira(carnaval) das 14h às 18h, no espaço da Casa Tai situada à rua Quintino Cunha, 547 - Centro. Podem se inscrever pessoas com idade acima de 16 anos, preenchendo o formulário on-line clicando aqui. A oficina será gratuita, sendo cobrada apenas uma taxa de inscrição de R$ 30,00 que o inscrito deverá pagar no primeiro dia de aula, para custear materiais a serem utilizados na oficina.

Ao preencher o formulário o aluno deverá fornecer corretamente os dados de contatos telefônico e e-mail, pois é através desses meios que serão divulgadas outras informações sobre as aulas. O formulário de inscrição estará disponível on-line até o dia 08 de fevereiro ou enquanto houver vagas.

domingo, 17 de dezembro de 2017

Festival de Teatro estudantil em Comodoro

Espetáculo Onde está Você ? premiado como Melhor espetáculo pelo Juri técnico 
                                Festival estudantil anima público de Comodoro-MT

                 O Grupo de Teatro Geração da Arte organiza a primeira edição do FEGERART – Festival Geração da Arte de Teatro em parceria com  E.E. Dona Rosa Frigger Piovezan em Comodoro-MT. A diretora do Grupo de Teatro Wankabuki, Valdete Sousa, recebeu convite para participar do Festival compondo o júri técnico, juntamente com Rosinete Querino(Pontes e Lacerda-MT) e Gislaine Mota (Comodoro-MT). O FEGERART acontece de 11 a 14 de dezembro, no Centro de Eventos da cidade, alunos da escola Dona Rosa Frigger Piovezan, após participarem de oficina oferecida pelo grupo Geração da Arte, criaram sete espetáculos que culminou no Festival.


Espetáculo Intoxicação
Fases da Lua recebeu prêmio de melhor texto
O Conflito de  Júlia prêmio de melhor espetáculo pelo Juri Popupar
Minha Revolução ganhou prêmio especial do Juri Técnico melhor cena
Colegial recebeu duas premiações no Festival
No dia 11, além da abertura oficial, acontece o primeiro espetáculo “Colegial” Grupo Insanos pela Arte, com alunas de idade entre 8 e 12 anos em cena, trazendo para o público a leveza do sonho de ser modelo em meio a temas polêmicos como preconceito e bullyng na escola. No dia 12, são três espetáculos na noite, “Intoxicação” Grupo Altazor, texto que partindo do mote da construção de uma nova sociedade trata de diversos temas discutidos na atualidade como homofobia, racismo, gordofobia e violência; “Fases da Lua” Grupo Pintando o Sete, peça que conta a história de Luana/Beatriz um garota com problemas na infância que desenvolve bulimia e como consequência se envolve com bebidas, drogas e muitos elementos do submundo; e “Onde está Você” Grupo Elementares, texto que traz questionamentos a respeito do que a sociedade está fazendo para diminuir a dor do outro, enquanto todo tipo de violência é trazido para a cena, fica a pergunta o que você está fazendo para diminuir a dor alheia, temas como suicídio e preconceito aparecem na peça.



A última noite de apresentações inicia-se com “Pane no Sistema” Grupo Utopia, o texto traduz o cotidiano da infância e adolescência atual, controlados por um jogador de videogame como robôs diante de uma tela, seguem cumprindo tarefas pré-programadas e mais uma vez aparecem temas que retratam a violência e o preconceito; “Minha revolução” Grupo Metáforas elenca temas relacionados ao cotidiano: violência contra mulher, homofobia; e “O conflito de Júlia”, segundo espetáculo apresentado pelo Grupo Insanos pela Arte, conta  história de Júlia, adolescente que começa a namorar e experimentar os conflitos próprios da idade, discussões com a família que culminam e um acidente de trânsito com graves sequelas.
Pane no sistema prêmio de Melhor maquiagem   



No dia 14, acontece a premiação com 14 categorias avaliadas nas três noites de Festival e, ainda, o Juri popular e uma premiação especial do Juri técnico. Ao final, “Onde está Você” ganhou o prêmio de melhor espetáculo pelo júri técnico e “O conflito de Júlia” prêmio de melhor espetáculo pelo júri popular. O belo trabalho realizado pelos alunos e professores da escola em conjunto com os integrantes do Geração da Arte fazem dessa primeira edição do Festival uma edição especial, pois todo o trabalho foi realizado voluntariamente, sem recursos, apenas com apoio de empresas e pessoas da comunidade que se dispuseram, muita esforço e carinho em cada detalhe.



Confira as fotos do festival clicando aqui

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Já Passa das Oito em Ji-Paraná


                   O grupo Wankabuki fecha o ano de 2017 com o espetáculo "Já passa das oito" em cena.

               Nos dias 08 e 09 de dezembro o Wankabuki apresentou-se na cidade de Ji-Paraná-RO, centro do estado de Rondônia. O teatro Dominguinhos recebeu "Ja Passa das Oito", espetáculo com texto de Fabiano Barros, direção de Valdete Sousa(Alda) que compõe, também, o elenco juntamente com Lu Rodrigues(Nalda), Tainá Sousa(Maria Louisa), Elieldo Paes(Valdinho), na iluminação Edmar Leite. Na produção do espetáculo Roberto Carlos do Grupo Encena(Ji-Paraná) uma parceria que poderá render muitas trocas e bons frutos.

   O público Jiparanaense elogiou muito o trabalho do grupo e conferimos boas risadas durante a peça.  Ideia de trocar produção e levar grupos de uma cidade para a outra facilita a circulação de espetáculos no interior do estado, sendo muito benéfico para os artistas de Rondônia.

        O ano de 2017 está se revelando um período de aprendizagem e avaliação da trajetória do Wankabuki que fará 15 anos em 2018. 



domingo, 15 de outubro de 2017

Wankabuki agita a semana da criança em Vilhena

O grupo Wankabuki realiza apresentações na semana da criança.

O mês de outubro começou animado para a galera do Wankabuki. A semana da criança iniciou-se no dia 11(Quarta-feira) com participação no evento realizado por policiais e bombeiros militares do 3° Batalhão da PM. A palhaça Jujubinha fez uma participação especial, levando alegria e descontração para as crianças da Escola Municipal de Ensino Infantil Santa Luzia.
                                                                         foto: Sandra Belli
Dia 13(Sexta-feira) o grupo apresenta na Escola Ângelo Mariano o espetáculo Perdidos Na Floresta, texto de Antero de Sales, com direção de Valdete Sousa que também compõe o elenco, juntamente, com Lu Rodrigues e Tainá Sousa; operando o som Shely Lisboa e na Fotografia Dennis Weber.
                                                                     Foto: Dennis Weber
No dia 14(sábado) o Wankabuki leva o espetáculo Perdidos na Floresta para a Casa Tai, a peça compõe uma série de eventos organizados no local durante a semana da criança, intitulado Outubro Kids. Além do espetáculo, a casa ofereceu diversas oficinas para crianças e atividades recreativas.
                                                                     Foto: Dennis Weber

Confira baixo algumas fotos das apresentações:

                                                                Foto: Dennis Weber

                                                                   Foto: Dennis Weber

                                                                  Foto: Dennis Weber

                          Foto: Dennis Weber

                                                                   Foto: Dennis Weber

                         Foto: Dennis Weber

                         Foto: Dennis Weber

                                                                    Foto: Dennis Weber

                     Foto: Dennis Weber

                                                        Foto: Dennis Weber

sábado, 19 de agosto de 2017

Grupo Wankabuki busca financiamento coletivo para realizar Festival

Rafael Barros, (Trans)formação, I Festival Amazônico

O Grupo de Teatro Wankabuki, sediado no município de Vilhena (RO), lançou através da plataforma catarse.me uma campanha de financiamento coletivo para a realização da 3ª edição do Festival Amazônico de Monólogos e Breves Cenas, previsto para acontecer em outubro de 2017. Para colaborar e conhecer mais sobre o projeto clique aqui


Valdete Sousa, presidente do Wankabuki, explica que a meta inicial da campanha é arrecadar o valor de R$ 10 mil a serem utilizados com despesas de confecção e veiculação de mídias, gastos com alimentação e hospedagem dos oficineiros, artistas e equipe de produção do evento. “O Festival é realizado anualmente, sempre por meio de editais (2015 - BASA; 2016-CAIXA ECONÔMICA). Em 2017, não fomos selecionados pelo edital que enviamos, ficando sem verbas para realização do evento. Nos dois anos de realização tivemos apresentações de artistas de vários locais, além dos grupos de Rondônia, passaram por aqui artistas de Manaus, Cuiabá e Primavera do Leste”, conta.


 A produtora cultural destaca que toda a programação do Festival sempre foi aberta e gratuita, oferecendo durante três dias arte, entretenimento, cultura e conhecimento, através de apresentações de peças teatrais, performances e intervenções urbanas, oficinas de teatrais com professores do Departamento de Artes da Universidade Federal de Rondônia abertas à comunidade, Seminário da Cena Amazônica com participação dos grupos e artistas, debates e mesas-redondas. “Somos uma Associação independente e não possuímos fontes de renda, porém não queremos deixar o projeto morrer, foi difícil tirar do papel, não podemos retroceder. Arte é necessária, não se pode construir uma sociedade sem arte, lazer e diversão”, diz Valdete.


Os interessados em ajudar também podem entrar em contato através dos seguintes números de telefone: (69) 98446-6408 e (69)98446-5839 ou pelo in box da páginaFacebook do Wankabuki. Compartilhe #ajudefestivalamazonico em suas redes sociais e colabore na divulgação e realização do Festival Amazônico de Monólogos e Breves Cenas.


Sobre o Festival Amazônico


O Festival Amazônico de Monólogos e Cenas Breves é um evento independente organizado pelo grupo de Teatro Wankabuki que teve sua primeira edição no ano de 2015. Não possui caráter competitivo e tem o objetivo de mostrar a produção artística brasileira, em especial a região Norte.


Na 1ª edição do Festival foram exibidos 11 espetáculos, realizadas 02 oficinas(Dramaturgia do ator e Confecção e manipulação de formas animadas), mesa-redonda com professores da rede pública de ensino e das universidades, alunos das universidades dos cursos de licenciatura nas quais se debateu a condição do Teatro na sala de aula e o 1º Seminário da Cena Amazônica (SECA), com discussão sobre o fazer teatral na Amazônia. 


Em 2016, durante a realização da 2ª edição do evento, foram exibidos 17 espetáculos e perfomances de artistas de várias cidades da região Norte e Mato Grosso. Além disso, foram ofertadas 04 oficinas teatrais(Mito drama: teatro ritual; O Performer: Ritualizador do Instante-Presente; Quem conta um conto... Biblioconto e Iniciação à Palhaçaria “Por Trás do Nariz”) e também a 2ª edição do Seminário da Cena Amazônica (SECA).


“O Festival acontece, normalmente, no início no mês de agosto, porém como não foi possível o patrocínio pra realização esse ano, mudamos para o mês de outubro/2017”, explica Valdete que complementa: “Estamos confiantes que todos irão ajudar! Ajude a salvar o nosso Festival! Festivais de teatro são essenciais para a compreensão do que é ser humano. Faça valer a pena, ajude a arte brasileira!”.


 Grupo Wankabuki


O Wankabuki é um grupo de teatro que está sediado em Vilhena-RO, no coração da amazônia legal, em um local estratégico, na divisa com o Mato Grosso. O Grupo existe desde 2004, surgiu na Universidade Federal de Rondônia e atualmente trabalha de forma independente. “A mediação cultural é parte importante do trabalho do Wankabuki, sendo o único grupo de teatro do Cone Sul de Rondônia em atividade, tendo colaborado ao longo dos anos para a mediação junto ao público local”, reforça Valdete. Conheça o grupo em http://grupodeteatrowankabuki.blogspot.com.br/.


terça-feira, 1 de agosto de 2017

Teatro Wankabuki oferece Oficina de teatro: "A cena Além dos Muros"

Tainá Sousa, breve cena Kufunzaka II FAMBC 

Inscrição aberta para nova oficina do Grupo Wankabuki

A oficina de teatro: "A Cena Além dos Muros" é parte do trabalho de estudos sobre a cena e processos de dramaturgia. O teatro Wankabuki oferece, de forma gratuita, oficinas abertas a comunidade, no ano de 2017 será a segunda oficina oferecida em Vilhena. A investigação sobre a dramaturgia e os processos que cada ator desenvolve no decorrer de sua criação, se dará nessa edição em três encontros, somando 12h.

A oficina pretende delinear um percurso em que o participante se reconheça através de experimentos corporais, leituras e vivências obtidos de materiais publicados ou relatos de pessoas que passaram por processos envolvendo violência. A partir dessas oficina desenvolve-se um trabalho conjunto entre os atores do Wankabuki e os participantes. 

O grupo oferece  25 vagas para a oficina que ocorre nos dias 01, 02, e 03 de Setembro/2017: sexta-feira das 19h às 22h, sábado e domingo das 15h às 19h. Podem se inscrever pessoas com idade acima de 16 anos, preenchendo o formulário on-line clicando aqui. A oficina será gratuita, sendo cobrada apenas uma taxa de inscrição de R$ 20,00 que o inscrito deverá pagar no primeiro dia de aula, para custear materiais a serem utilizados na oficina.

Ao preencher o formulário o aluno deverá fornecer corretamente os dados de contatos telefônico e e-mail, pois é através desses meios que serão divulgadas outras informações sobre as aulas. O formulário de inscrição estará disponível on-line até o dia 31 de agosto ou enquanto houver vagas.

Teatro Wankabuki apresenta Perdidos na Floresta em Vilhena

Perdidos na Floresta, teatro Dominguinhos(Ji-Paraná) Palco Giratório-2016


O município de Vilhena recebe no mês de julho o maior evento gastronômico e cultural a região, o 1ª Festival Gastronômico e Cultural de Vilhena com programação a partir de 10 de julho. Realizado pelo Sicoob Credisul o evento reúne o melhor da culinária local e atividades artísticas, tais como exposições de artes plásticas o espaço Marechal Rondon, Cine Solarium, shows musicais com artistas de Vilhena, palestras e aulas shows envolvendo culinária. 

O grupo Wankabuki realiza o fechamento das atividades artística do Festival, com o espetáculo Perdidos na Floresta, espetáculo de classificação livre que percorreu diversos projetos desde sua estreia em 2009, circulou o SESC Itinerante, Aldeia Guaporé - SESC RO, Palco Giratório SESC-RO, além de escolas do município de Vilhena.  A apresentação acontece na Sala Expansão - CTC Sicoob Credisul, nos dias 05 e 06 de agosto, ás 19h30min. Os ingressos podem ser adquiridos na banca do Zóio, no bistrô Paladar ou com o elenco do grupo, contato: 98446-6408.
  

Serviço
Perdidos na Floresta, texto Antero de Sales, direção Valdete Sousa, elenco Lu Rodrigues, tainá Sousa e Valdete Sousa, Operador de Luz Rafael Reis, Operador de som Shely Lisboa.
Dias 05(sábado) e 06(domingo) de agosto.
Às 19h30min, na Sala Expansão - CTC Sicoob Credisul - Av. Capitão castro, 3112 - Centro Vilhena/RO
Contribuição R$ 20,00(inteira) R$10,00 (meia para estudantes, policiais, bombeiros e professores que apresentarem carteira de comprovação)

     

quarta-feira, 26 de abril de 2017

NÚCLEO DE LEITURA DRAMATIZADA

O grupo de Teatro Wankabuki retoma, no mês de maio, o Núcleo de Leitura Dramatizada, projeto iniciado através das oficinas do Dramaturgia leituras em Cena do SESC-RO que são oferecidas em Vilhena desde 2012. A ação consiste em ler e discutir textos teatrais que compõe o banco de dados que o grupo possui. O participante deve levar para a reunião equipamento tais como celular, tablet, ou notebook, pois as obras do banco de dados são virtuais.    
Para participar do Núcleo os interessados devem preencher o formulário de cadastro clicando aqui e comparecer nas reuniões que acontecem aos sábados, ás 15h, na Biblioteca Municipal Monteiro Lobato. 

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Wankabuki oferece Oficina de Dança Sênior


A programação do grupo de teatro Wankabuki no início de 2017 continua com a Oficina de Dança Sênior. Para essa oficina o grupo oferece 30 vagas para a oficina de férias de Dança Sênior que ocorre nos dias 19, 20, e 21 de janeiro/2016, quintas e sextas-feira das 19h às 21h, sábado das 15h às 17h, na Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Campus Vilhena. Podem se inscrever pessoas com idade acima de 15 anos, preenchendo o formulário on-line clicando aqui A oficina será gratuita, sendo cobrada apenas uma taxa de inscrição de R$ 20,00 que o inscrito deverá pagar no primeiro dia de aula, para custear materiais a serem utilizados na oficina.

A oficina será Oferecida pela professora Lucimar Rodrigues, atriz e oficineira, possui formação na área de Dança Senior e é responsável pelo Grupo de DS Amazônia Top, formado por alunos da Escola Ângelo Mariano e utiliza as ferramentas da dança em diversos trabalhos realizados em Vilhena e outros municípios, onde através da Secretária Municipal de Educação realiza oficinas na área. 

Ao preencher o formulário o aluno deverá fornecer corretamente os dados de contatos telefônico e e-mail, pois é através desses meios que serão divulgadas outras informações sobre as aulas. O formulário de inscrição estará disponível on-line até o dia 15 de janeiro ou enquanto houver vagas.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Vem aí a Oficina de férias do Wankabuki


Seguindo o estudo continuado sobre a personagem teatral, o Wankabuki oferece, a oficina de férias/2017: Oficina de Estudos sobre a Personagem teatral.  A investigação sobre a complexidade das personagens e os processos que cada ator desenvolve no decorrer de sua criação, se dará nessa edição em seis encontros.

O Wankabuki ofereceu no ano de 2016 quatro oficinas teatrais durante a realização do II Festival Amazônico de Monólogos e Breves Cenas, com professores doutores e mestres do Curso de Teatro do Departamento de Artes da UNIR - Campus e Porto Velho e atores de grupos de teatro. Cerca de 100 pessoas, entre professores, alunos, atores e pessoas da comunidade participaram dessas oficinas.

O grupo oferece, em janeiro, 25 vagas para a tradicional oficina de férias que ocorre nos dias 05, 06, e 07, 12, 13 e 14 de janeiro/2016, quintas e sextas-feira das 19h às 22h, sábado das 15h às 18h, na Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Campus Vilhena. Podem se inscrever pessoas com idade acima de 15 anos, preenchendo o formulário on-line clicando aqui. A oficina será gratuita, sendo cobrada apenas uma taxa de inscrição de R$ 30,00 que o inscrito deverá pagar no primeiro dia de aula, para custear materiais a serem utilizados na oficina.

Ao preencher o formulário o aluno deverá fornecer corretamente os dados de contatos telefônico e e-mail, pois é através desses meios que serão divulgadas outras informações sobre as aulas. O formulário de inscrição estará disponível on-line até o dia 04 de janeiro.

INSCRIÇÕES ENCERRADAS, VAGAS ESGOTADAS EM 26 DEZEMBRO.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Agenda Wankabuki mês de Setembro

Jujubinha e Paçoquinha: gostosuras e travessuras
Abertura do Projeto Circo
Escola Angelo Mariano Donadon
02 de Setembro, às 15h.

Perdidos na Floresta
Quartel do 3º BPM
06 de Setembro, às 20h

Jujubinha e Paçoquinha: gostosuras e travessuras
Palco Giratório - SESC RO
Hospital Cosme e Damião/ Porto Velho-RO
08 de Setembro, às 10h

Jujubinha e Paçoquinha: gostosuras e travessuras
Palco Giratório - SESC RO
Hospital Cosme e Damião/ Porto Velho-RO
08 de Setembro, às 16h

Jujubinha e Paçoquinha: gostosuras e travessuras
Palco Giratório - SESC RO
Oncopediatria do Hospital de Base/ Porto Velho-RO
09 de Setembro, às 10h

Jujubinha e Paçoquinha: gostosuras e travessuras
Palco Giratório - SESC RO
Oncopediatria do Hospital de Base/ Porto Velho-RO
09 de Setembro, às 16h

Perdidos na Floresta
Palco Giratório - SESC RO
Teatro Dominguinhos/Ji-Paraná-RO
14 de Setembro, às 20h







terça-feira, 2 de agosto de 2016

Resultado da seleção para a oficina O Performer, Ritualizador do instante-presente

O Grupo de Teatro Wankabuki, através de Seleção e patrocínio do Programa Caixa de apoio a Festivais de teatro e dança 2016, torna público o resultado da seleção para as  Oficinas do 2º Festival Amazônico de Monólogos e  Breves Cenas oferecidas entre os dias 04 e 06 de Agosto das 08 às 12h, na Universidade Federal de Rondônia - Campus de Vilhena.


Inscrições selecionadas para Oficina O Performer,  Ritualizador do instante-presente

Dias 04, 05 e 06 de agosto, das 08 às 12h - Na UNIR Campus Vilhena.

Carol Santa Ana
Denis Carvalho da Silva
Douglas Adriano M. Rodrigues
Eline da Silva Bispo
Gilmar dos Santos Soares
Gisele da Silva Santos Stering
Heron Cristiano Mairink Volpi
João Paulo Balansin Zenewich
Madirson Francisco Souza
Mateus Vieira
Miryan Therezinha de Oliveira
Rafael Barros
Reinaldo Da Conceição Wilson
Taís Christina Coimbra Santi
Valdete Sousa Silva

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Resultado da seleção para as oficinas do 2º Festival Amazônico de Monólogos e Breves Cenas

O Grupo de Teatro Wankabuki, através de Seleção e patrocínio do Programa Caixa de apoio a Festivais de teatro e dança 2016, torna público o resultado da seleção para as  Oficinas do 2º Festival Amazônico de Monólogos e  Breves Cenas oferecidas entre os dias 04 e 06 de Agosto das 08 às 12h, na Universidade Federal de Rondônia - Campus de Vilhena.


Inscrições selecionadas para Oficina Mito Drama: Teatro Ritual

Dias 04, 05 e 06 de agosto, das 08 às 12h - Na UNIR Campus Vilhena.
Amanara Brandão dos Santos Lube
Antonia Tomé Pereira
Claudia Aparecida Prates
Dennis Weberton Vendruscolo Gonçalves
Gianni Aguiar da Silva
Ingridy Karen da Silva
Joana Baptista Demski
Karine Cunha Pereira
Khauane Oliveira Farias
Leilliany Ferreira Gonçalves
Letícia Margarida Cutlac de Oliveira
Maria Noel Garat
Mayara Godoy de Carvalho
Núbia Rodrigues de Oliveira
Paulo Severino da Silva
Renato Vinicius Castilho
Rodrigo de Souza Fernandes
Taiane Sales Nunes
Tainá Sousa Oliveira
Thalia Freitas da Paz 

Inscrições selecionadas para Oficina Quem Conta um conto...Biblioconto

Dias 04 e 05 de agosto, das 08 às 12h - Na UNIR Campus Vilhena.
Andréia Rocha 
Ariadne Collato Viana
Bruno Selleri Bezerra
Cleidimar  Vieira Silva
Debora Azevedo
Deise Teixeira Lourdeiro
Elieldo Alves Paes
Elizabeth Campos Cardoso
Gabriela de Anunciação
Gisele Diana Borges
Irani Cardoso Bilheiro
Isabel Paula Almoch
Ivani Mariana de Lima Vidal 
Lourdes Amaro
Luciana Costa Oliveira Leite
Luciene Apª  do Nascimento Conci
Luciene Rodrigues da  Costa Vaz
Lucimar Ribeiro Rodrigues
Lucinara de Lourdes C. Bambulin
Lysania Frissélli F. dos Santos Schaida
Márcia Sechenel Pires Barros
Marcos Eduardo Romano 
Margarete Arruda da Silva
Mariângela Volpe
Regiane de Souza Mendes Stüpp
Regiane Simão Barbosa
Regina Almeida Moraes
Rosangela Alves da Silva Neiva
Rosania Lucas da Silva
Teoginis Silveira do Nascimento
Veruza S. Lopes da Cunha 
Zenaide Crisostomo de Lima Neves 

Inscrições selecionadas para Oficina Iniciação à Palhaçaria-Por trás do nariz

Dia 06 de agosto, das 08 às 12h - Na UNIR Campus Vilhena.
Barbara de Oliveira Campos
Bruno Selleri Bezerra 
Clesio Cássio Almeida Costa
Débora F. R de Azevedo
Elieldo Alves Paes
Fernando Junior
Francieli Amanda Conci
Gabriel Cardoso de Aguiar
Guilherme kovalsikoski De mello
Jhoni Figueredo da Cunha
Karine Cunha Pereira
Lildeani Santos Coelho
Lucimar Ribeiro Rodrigues
Maycon Douglas Pereira de Moura
Michele Lupatini Ferreira
Milena Lupatini
Rafael Nunes Reis
Regiane de Souza Mendes Stüpp
Renato Vinicius Castilho

Em breve lançaremos a lista completa com os inscritos da Oficina O Performer, ritualizador do instante-presente.

Obrigado por visitar a página!

O grupo de Teatro Wankabuki surgiu na Universidade Federal de Rondônia, em agosto de 2003, começaram as reuniões aos sábados no auditório da Unir.O primeiro espetáculo montado pelo grupo foi Morte e Vida Severina uma adaptação do texto de João Cabral de Melo e Neto, feita por Luiz Antônio de Araújo.Em seguida, o grupo montou A Lenda da Ecologia texto do Prof. Oswaldo Gomes que estreou em 20 de julho de 2005. A peça participou do Festival de Teatro Coração de Rondônia, no município de Ji-paraná em agosto desse ano.Em 2006 são montados mais dois espetáculos: Vai, Carlos! Ser Gauche na vida que estréia em 07 de abril e Tragédia no lar apresentado pela primeira vez na escola Wilson Camargo para os alunos do período noturno. Os dois espetáculos são adaptações das poesias, respectivamente, de Carlos Drummond de Andrade e Castro Alves. Em 2009, estreia Perdidos na Floresta texto de Antero de Sales e o grupo inicia os trabalhos para se institucionalizar, em janeiro de 2010, o grupo de Teatro Wankabuki consegue seu registro, com a Razão social de ATEW - Associação de Teatro e Educação Wankabuki.







Quem sou eu

Minha foto
Lacunas que a vida não completa, são como obras esperando ser escritas, preenchidas...