Páginas

Seja Bem Vindo!

"A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas, não é copiar sua aparência. (Aristóteles)






sexta-feira, 24 de julho de 2009

NEGROLÔ


O Clip Negrolô foi montado para enviar para a Bienal do Rio de Janeiro, um clip sobre as raízes Africanas. Há no clip diversos elementos da cultura Afro: capoeira, candomblé, dança, tambor. A música do clip é de um ex-membro do grupo Ledson Vanini e conta a saga do negro escravizado.
Clique aqui e assista ao Clip.

PERDIDOS NA FLORESTA

Perdidos na Floresta conta a história de um casal de amigos que se perdem na floresta, conhecem um Bruxo, que representa o lado mal e quer destruir toda a floresta, e são salvos por animais e personagens folclóricos que vivem na mata, e representam o bem. Com um enredo divertido e hora assustador, a peça chama a atenção das crianças para as questões ambientais. Perdidos na Floresta, é, além de tudo, uma oportunidade de dar boas risadas.

TRAGÉDIA NO LAR





O espetáculo Tragédia no Lar é uma adaptação de duas poesias de Castro Alves da obra Os escravos: Navio Negreiro e Tragédia do Lar. A linguagem poética não sofreu alteração para se preservar o lirismo e ao mesmo tempo resgatar a importância desse período da literatura brasileira. Essa fase do Romantismo em que a poesia social ganha espaço é de extrema importância para o país, por muitos motivos, mas principalmente por que repensa o momento escravocrata que o Brasil vivia. Explorando o valor semântico do texto os atores buscam o momento em que os negros eram trazidos ao Brasil e após a sua estada nesse país como as suas vidas eram conduzidas pelos senhores, seus donos. Todos os recursos são promovidos pelos próprios atores, em cena, inclusive a iluminação.

VAI CARLOS! SER GAUCHE NA VIDA.




O recital Vai, Carlos! Ser Gauche na vida é uma adaptação de uma fase da poesia Drumoniana em que o “eu” poético mostra a sua face mais pessimista. O ser Gauche está presente em todos os versos, delineando a obscuridade presente na poesia de Drummond. A temática do Mundo, e da pequenez do homem que nele vive é muito freqüente, assim como as inquietações de um “eu” lírico que se sente fora desse mundo. O ator é a representação do lirismo dessa poesia, que exterioriza todos esses sentimentos, seja na maneira como estão dispostos no palco, seja pela interpretação.

A LENDA DA ECOLOGIA





O espetáculo A Lenda da Ecologia, tem uma linguagem voltada para a região norte do país, tendo em vista que o texto visa mostrar o cenário da vida dentro das matas amazônicas, as lendas e mitos e tudo que ocorre com a natureza após a interferência da mão do homem branco. Na montagem deste texto o ator é o destaque, fazendo uso de seu corpo, voz e figurinos para traduzir magia e emoção. Despertando no público um sentimento de cidadania e consciência em relação ao que está sendo feito com o meio ambiente. A partir de temas como A LENDA DA ECOLOGIA, cria-se uma dramaturgia altamente crítica, em que a sociedade indígena e o folclore regional são retratados com singeleza e autenticidade.

O PRIMEIRO TRABALHO: MORTE E VIDA SEVERINA




O espetáculo Morte e Vida Severina retrata a seca nordestina e suas várias facetas, a partir do Texto de João Cabral foi criado um clima em que a fome e a miséria imperam sobre todas as coisas. A linguagem utilizada em cena é também seca voltada para os sentimentos dos personagens que de certa maneira são todos Severinos dentro da mesma realidade social. Por isso a falta de nominação em todos eles, designados apenas de ator I, II, III, ou a Cigana, o Violeiro. São inominados, pois dividem a “sina” do ser Severino. Além disso, a peça coloca o ator como matéria central do espetáculo, abolindo o cenário, e explorando o máximo das expressões do ator.

Obrigado por visitar a página!

O grupo de Teatro Wankabuki surgiu na Universidade Federal de Rondônia, em agosto de 2003, começaram as reuniões aos sábados no auditório da Unir.O primeiro espetáculo montado pelo grupo foi Morte e Vida Severina uma adaptação do texto de João Cabral de Melo e Neto, feita por Luiz Antônio de Araújo.Em seguida, o grupo montou A Lenda da Ecologia texto do Prof. Oswaldo Gomes que estreou em 20 de julho de 2005. A peça participou do Festival de Teatro Coração de Rondônia, no município de Ji-paraná em agosto desse ano.Em 2006 são montados mais dois espetáculos: Vai, Carlos! Ser Gauche na vida que estréia em 07 de abril e Tragédia no lar apresentado pela primeira vez na escola Wilson Camargo para os alunos do período noturno. Os dois espetáculos são adaptações das poesias, respectivamente, de Carlos Drummond de Andrade e Castro Alves. Em 2009, estreia Perdidos na Floresta texto de Antero de Sales e o grupo inicia os trabalhos para se institucionalizar, em janeiro de 2010, o grupo de Teatro Wankabuki consegue seu registro, com a Razão social de ATEW - Associação de Teatro e Educação Wankabuki.







Quem sou eu

Minha foto
Lacunas que a vida não completa, são como obras esperando ser escritas, preenchidas...