Páginas

Seja Bem Vindo!

"A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas, não é copiar sua aparência. (Aristóteles)






sexta-feira, 24 de julho de 2009

VAI CARLOS! SER GAUCHE NA VIDA.




O recital Vai, Carlos! Ser Gauche na vida é uma adaptação de uma fase da poesia Drumoniana em que o “eu” poético mostra a sua face mais pessimista. O ser Gauche está presente em todos os versos, delineando a obscuridade presente na poesia de Drummond. A temática do Mundo, e da pequenez do homem que nele vive é muito freqüente, assim como as inquietações de um “eu” lírico que se sente fora desse mundo. O ator é a representação do lirismo dessa poesia, que exterioriza todos esses sentimentos, seja na maneira como estão dispostos no palco, seja pela interpretação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente as nossas postagens, participe do blog!

Obrigado por visitar a página!

O grupo de Teatro Wankabuki surgiu na Universidade Federal de Rondônia, em agosto de 2003, começaram as reuniões aos sábados no auditório da Unir.O primeiro espetáculo montado pelo grupo foi Morte e Vida Severina uma adaptação do texto de João Cabral de Melo e Neto, feita por Luiz Antônio de Araújo.Em seguida, o grupo montou A Lenda da Ecologia texto do Prof. Oswaldo Gomes que estreou em 20 de julho de 2005. A peça participou do Festival de Teatro Coração de Rondônia, no município de Ji-paraná em agosto desse ano.Em 2006 são montados mais dois espetáculos: Vai, Carlos! Ser Gauche na vida que estréia em 07 de abril e Tragédia no lar apresentado pela primeira vez na escola Wilson Camargo para os alunos do período noturno. Os dois espetáculos são adaptações das poesias, respectivamente, de Carlos Drummond de Andrade e Castro Alves. Em 2009, estreia Perdidos na Floresta texto de Antero de Sales e o grupo inicia os trabalhos para se institucionalizar, em janeiro de 2010, o grupo de Teatro Wankabuki consegue seu registro, com a Razão social de ATEW - Associação de Teatro e Educação Wankabuki.







Quem sou eu

Minha foto
Lacunas que a vida não completa, são como obras esperando ser escritas, preenchidas...