Páginas

Seja Bem Vindo!

"A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas, não é copiar sua aparência. (Aristóteles)






quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Wankabuki reinicia oficina interrompida em outubro

Alunos da IV oficina cena aberta em Abril/2012

A V Oficina Cena Aberta iniciou-se em outubro de 2012, mas devido ao número de compromissos a oficina foi interrompida.  Neste mês de janeiro/2013, aproveitando o período de férias o Wankabuki reinicia a oficina. 
As inscrições estão abertas de 13 de dezembro/2012 a 04 de Janeiro/2013, no Blog do grupo, o candidato deverá preencher o Formulário de Inscrição com dados completos e enviar. Antes de preencher a inscrição o candidato deverá ler atentamente o Regulamento da Oficina de Teatro para saber mais detalhes.
As aulas iniciam-se no dia 07 de janeiro com previsão de término para 25 de janeiro, três vezes por semana, segunda, quarta e sexta-feira, das 19h00min às 22h00min, no espaço do SESC LER em Vilhena-RO. O grupo oferecerá apenas 15 vagas, pois há pessoas inscritas da edição de outubro, a taxa de inscrição é de R$ 30,00 (trinta reais), mais informações via Regulamento na página do grupo. 


quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Leitura Dramatizada em Vilhena

O Projeto Leituras em Cena, do SESC, está em Vilhena e realiza nesta Quarta-feira, 14, véspera de feriado, às 19h, no Auditório da Universidade Federal de Rondônia(UNIR) a Leitura Dramatizada de três textos: Tecendo Vasalisa de Mônica Alvarenga, Viajantes para o Mar de John Millington Synge e Piquenique no Front de Fernando Arrabal. 

O projeto teve início com a Oficina de Leitura Dramatizada oferecida pelo SESC no mês de outubro e foi  ministrada pela dramaturga Mônica Alvarenga que veio do Rio de Janeiro para aplicar as técnicas de leitura dramatizada para atores de Vilhena. A Oficina durou três dias e entra agora na segunda fase que é a apresentação da leitura para a comunidade. Segundo a representante do Sesc, Andressa Romão, este projeto é só o início das atividades que o SESC pretende realizar na área das Artes Cênicas em Vilhena e no estado de Rondônia.

Os atores do grupo de Teatro Wankabuki estão realizando esta atividade, pois é uma experiencia muito valiosa, assim como atores que trabalham independente de grupo também participam da atividade, ao todo são cerca de 14 atores. O ponto de Cultura Cone Sul Plural está apoiando esta atividade, assim como a Universidade Federal de Rondônia,campus de Vilhena.


Evento

LEITURA DRAMATIZADA
DIA 14 DE NOVEMBRO DE 2012
ÀS 19H
NO AUDITÓRIO DA UNIR

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

II Sarau de Poesias da Boca Pra Fora agita fim de semana

José e Cia - Isabela Tabalipa, Núbia Rodrigues, Daniele Bezerra e Valdete Sousa
No último fim de semana, Vilhena foi palco de grandes manifestações culturais, entre os dias 25 e 28 de outubro aconteceram diversas apresentações e reuniões dos seguimentos das artes. Nos dias 25 e 26, reuniram-se artistas de diversas áreas e de vários locais do estado para participar da preparação para a Conferência Estadual de Cultura, fase regional Cone sul. No dia 25 aconteceu a estreia do espetáculo Vez ti bu! Lá! da diretora Ellen Vila Nova e seus atores, no espaço do Cine Laser.
Elen Vila Nova(ao Centro) e Atores da Peça Vez  Ti Bú lá!

Na Sexta-deira, 26, aconteceu, ainda, mais uma edição da Noite da Seresta, dessa vez no Centro de Tradições Gaúchas, muitos cantores de MPB, pop, sertanejo passaram pelo palco.

José e Cia - Rafel Nunes e Isabela Tabalipa
No dia 26, a partir das 20h, no Armazém das Flores, teve início o II Sarau de Poesias da Boca Pra Fora - 110 anos de Drummond, com a apresentação do Espetáculo José e Cia, atrações musicais por conta de Wiliam Lázaro e Jeferson Lázaro, exposição de foto-poesia realizado pelo Clube de Fotografia de Vilhena e muita poesia.
José e Cia - Valdete Sousa
 O Sarau seguiu com a programação do dia 27, com o Espetáculo José e cia e com muita música com Adriana Silveira e Sandro Vieira, além das participações especiais de Fabrício Fortes, Derek Ito, Jeferson e Willian Lázaro. No dia 28, mais uma noite de muito teatro e poesia. Os três dias do evento foi encantador, um público maravilhoso passou pelo Armazém das flores, ilustres presenças de poetas e imortais, como Vinicius Bovo, Newton Pandolfo, João Paulo das Virgens entre muitas outras pessoas importantes, o Grupo Wankabuki está verdadeiramente feliz por saber que tem um público tão rico de saberes e de vontade de ver arte e também de fazer arte.
II Sarau de Poesias da Boca Pra Fora - Adriana Silveira e Sandro Vieira
Ainda no dia 27, houve apresentação da peça Vez ti bu! Lá! no espaço do Cine Laser e um Chá que reuniu  os artesões de Vilhena, organizado pela amiga Sirley de Caldas.
José e Cia - Núbia Rodrigues
A arte em Vilhena está começando a se organizar em grupo ou seguimentos e ao mesmo tempo todos os grupos estão se ajudando, por esse caminho vamos seguir longe. Precisamos de muito mais união, pois juntos se constrói muito mais conhecimento, mais saberes e trocas. Aquele que ainda não está participando deste movimento, acredite está perdendo, pois o teatro aprende com a música, com as artes plásticas, com o cinema, com a fotografia, com o desenho, artesanato, a troca é a melhor forma de aprender.
José e Cia - Daniele Bezerra
EVOÉ MEUS AMIGOS!!!

 



terça-feira, 16 de outubro de 2012

II Sarau da Boca Pra Fora


Ingressos individuais para dias 26 e 27/10:R$ 15,00
Mesa(4 pessoas)para dias 26 e 27/10:R$ 50,00


Ingressos individuais para dia 28/10:R$ 10,00
Mesa(4 pessoas)para dia 28/10:R$ 35,00
Através do Fone: 8446-6408



terça-feira, 2 de outubro de 2012

No Espaço Território


Wankabuki no mês da Criança

Jujubinha e Paçoquinha

A agenda do Grupo de Teatro Wankabuki para o mês de Outubro:

Dia 05 - Sexta-feira - Apresentação no Território, às 19h00min - A Velhinha Maluquete, maluca por histórias;

Dia 06 - Sábado - V Oficina de teatro Cena Aberta, na Praça Angelo Espadari, das  14h00min às 18h00min;

Dia 06 - Sábado - Evento da Igreja Católica, apresentação de Performances, a Partir das 19h00min;

Dia 12 - Sexta-feira - Apresentação no Território, às 16h00min - Jujubinha no pais da leitura;


Dia 13 - Sábado - V Oficina de teatro Cena Aberta, na Praça Angelo Espadari, das  14h00min às 18h00min;


Dia 19 - Sexta-feira - Apresentação no Território, às 19h00min - Jujubinha e Paçoquinha em: Travessuras e Gostosuras;


Dia 20 - Sábado - V Oficina de teatro Cena Aberta, na Praça Angelo Espadari, das  14h00min às 18h00min;


Dia 20 - Sábado - Apresentação em festa de aniversário, às 18h30min - Jujubinha e Paçoquinha em: Travessuras e Gostosuras;

Dia 26 -Sexta-Feira - No Armazém das Flores - II Sarau da Boca Pra Fora, às 20h00min - José e Cia;

Dia 27 -Sábado - Na Escola Shirlei Ceirutti - Projeto Amigos Solidários, às 09h00min - A Velhinha Maluquete, maluca por histórias;

Dia 27 -Sábado - No Armazém das Flores - II Sarau da Boca Pra Fora, às 20h00min - José e Cia;

Dia 28 -Domingo - No Armazém das Flores - II Sarau da Boca Pra Fora, às 20h00min - José e Cia;

José e Cia

Maiores informações sobre apresentações: 8446-6408

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

ÚLTIMA SEMANA DE INSCRIÇÃO

Exercício com alunos da IV Oficina Cena Aberta, em abril de 2012

Esta é a última semana de  inscrição  da V Oficina de Teatro Cena Aberta que acontece entre os dias 29 de setembro e 03 de novembro de 2012, aos sábados, na Praça Ângelo Espadari, as inscrições encerram-se no dia 20 de setembro/2012. 

O Wankabuki, nos últimos anos voltou-se mais para o teatro de rua, e nesta edição da Oficina serão abordados temas voltados para está área: Mímica, Palhaçaria, dança e produção de cenas, assim como as técnicas habituais de iniciação teatral. Os oficineiros são membros do grupo que buscaram esses conhecimentos em outras oficinas oferecidas fora de Vilhena e agora pretender trazer para o município os conhecimentos adquiridos, são eles: Herbert Weil, Valdete Sousa, Lu Rodrigues e  Núbia Rodrigues.

O Wankabuki oferece 30 vagas para pessoas com mais de 16 anos, os interessados em participar da Oficina devem ler o Regulamento da V Oficina cena Aberta e em seguida preencher a Ficha de Inscrição esses materiais estão disponíveis no blog do grupo através do endereço eletrônico http://grupodeteatrowankabuki.blogspot.com.br/. Outras informações podem ser adquiridas pelo Telefone: 8446-6408 ou ainda na página do facebook do grupo http://www.facebook.com/wankabuki.
Inscrições Encerradas.



sábado, 25 de agosto de 2012

Mostra teatral de rua reúne artes urbanas na Angelo Spadari no próximo domingo

Fãs de manifestações artísticas urbanas poderão acompanhar as diversas apresentações teatrais, esportivas e visuais da I Mostra de Performances Urbanas de Vilhena, organizado pelo Grupo de Teatro Wankabuki. A ser realizada na praça Angelo Spadari, no próximo domingo 26, a série de exibições inicia às 20h e reúne o melhor do teatro de rua do sul de Rondônia, bem como demonstrações ao vivo de grafite. 

O caráter intervencionista do evento é tão provocativo quanto os temas abordados em seu desenrolar: crítica social, política, ambiental e comportamental. Um prato cheio para interessados em arte e cultura genuinamente vilhenense.

A Mostra acontece no mês em que o Grupo de Teatro Wankabuki comemora nove anos de existência na cidade. Entre oficinas e apresentações, esta é o oitavo evento organizado pelos atores em 2012. Em 2011 realizaram o projeto "Invadindo a Praça" e incorporaram seu espírito: realizar apresentações teatrais em praças e espaços públicos com o intuito de conseguir maior interação com o público.Assíduo participante do Festival de Teatro Amazônia Encena na Rua, de Porto Velho, o grupo desenvolve trabalho ímpar nas artes cênicas no sul do Estado.

Arte e reflexão social se misturam na mostra do Wankabuki

Estão previstas 14 apresentações fixas ou circulantes. Os espaços da praça a serem ocupados pelos atores do Wankabuki são variados. No roteiro geral, divulgado na página virtual do grupo, performances com críticas ao jornalismo, à agricultura, meio ambiente, política, guerra, liberdade de expressão e valores morais estarão expostas nas encenações. Ao todo, 13 atores participam da mostra.

Confira a programação completa clicando na imagem acima

Inédito em Vilhena, o formato de apresentação teatral está sendo ensaiado há um mês e aglutina o resultado de estudos realizados pelo Wankabuki nos últimos dois anos. Segundo a organização, a mostra é uma maneira de ilustrar a visão que o artista tem das coisas que o cercam. A intervenção, que tem como características principais a surpresa e a ausência de palco, está ganhando espaço nas maneiras de expressão do grupo teatral. 

Em abril, durante a realização de uma oficina de teatro, alunos e atores do grupo realizaram intervenções na feira municipal do centro e no Park Shopping Vilhena. Neste mês, o modo de se apresentar volta, só que com muito mais força, em um evento grande e preparado meticulosamente. 

Intervenção do Wankabuki na feira municipal do Centro, em abril

OFICINA - A próxima atividade do grupo está programada para setembro e deverá se traduzir na maior série de oficinas de teatro já ministrada pelo Wankabuki. Três temas diferentes serão abordados em três oficinas consecutivas entre os dias 29 de setembro e 03 de novembro. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo blog oficial do grupo. Nas oficinas serão repassados conhecimentos de composição de cena, mímica, palhaçaria e exercícios teatrais diversos direcionados para a improvisação e diálogo com o público da rua. 

Mais informações na página do Wankabuki no Facebook, no blog www.grupodeteatrowankabuki.blogspot.com ou pelo celular (69) 8446-6408.
  

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Abertas as inscrições para mais uma Oficina de Teatro

Artistas do Wankabuki em uma apresentação do Invadindo a Praça(2011)

O grupo Wankabuki publicou nesta segunda-feira, 13, o Regulamento para a V Oficina de Teatro Cena Aberta que acontece entre os dias 29 de setembro e 03 de novembro de 2012, aos sábados, na Praça Ângelo Espadari. As inscrições iniciaram-se dia 13 de agosto e encerram-se no dia 20 de setembro/2012. 

A Oficina Cena aberta foi criada pelo Wankabuki em 2010 com o intuito de fomentar a produção de artes cênicas no município de Vilhena, assim como aprimorar os conhecimentos dos artistas do Grupo. Nas quatro edições anteriores, cerca de 100 alunos já passaram pelo Wankabuki, pessoas que já fazem teatro na cidade em igrejas e escolas, alguns professores e outros membros da comunidade.

O Wankabuki, nos últimos anos voltou-se mais para o teatro de rua, e nesta edição da Oficina serão abordados temas voltados para está área: Mímica, Palhaçaria, dança e produção de cenas, assim como as técnicas habituais de iniciação teatral. Os oficineiros são membros do grupo que buscaram esses conhecimentos em outras oficinas oferecidas fora de Vilhena e agora pretender trazer para o município os conhecimentos adquiridos.

Os interessados em participar da Oficina devem ler o Regulamento da V Oficina cena Aberta  e em seguida preencher a Ficha de Inscrição esses materiais estão disponíveis no blog do grupo através do endereço eletrônico http://grupodeteatrowankabuki.blogspot.com.br/. Outras informações podem ser adquiridas pelo Telefone: 8446-6408 ou ainda na página do facebook do grupo http://www.facebook.com/wankabuki.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Wankabuki comemora 9 anos com evento na praça

Valdete Sousa em Perform'Art, na UNIR(2010)  Foto: Nardiane Silva 

Entre leituras de poemas e teorias literárias, estudos da linguística e outras implicações da língua portuguesa, três universitárias começam um trabalho que intitularam grupo de teatro universitário. Segundo semestre do curso de Letras na Universidade Federal de Rondônia(UNIR) em Vilhena, agosto de 2003, reuniões aos sábados no auditório da universidade. Estudos de grandes nomes: João Cabral, Castro Alves, Drummond, Ariano Suassuna e outros, muita literatura. Assim, inicia-se uma amizade e um trabalho que dura 9 anos.

Muitas pessoas passaram pelo Wankabuki que só começou chamar-se assim em 2004, após uma conversa sobre um tipo de teatro Japonês KABUKI e alguns murmúrios e risadas, pronuncia-se o nome Wankabuki e assim mesmo está até hoje. Era apenas uma brincadeira de universidade que foi se fortalecendo, um espetáculo após o outro, apresentações em feiras, em eventos da UNIR, festivais, convites para participar de eventos em outras cidades. Naturalmente, as pessoas vinham e iam: Flávio Júlio, Naiara Duarte, Ledson Vanini, Diomar Soares, Marcos Adriel, Poliana Mendes, Cleidson Freitas, Layson Hickman e tantas outras pessoas que ficaram um dia ou um ano e deixaram sua contribuição para a nossa evolução.

Mas, o cordão umbilical com a UNIR foi cortado em 2008, não por desejos próprios, mas por mudanças na administração da Universidade que fechou as portas para o aprendizado que não fosse em sala de aula. O grupo Wankabuki foi despejado para a rua, e nós adoramos! Ainda bem que tiraram o espaço fechado do grupo, pois assim pudemos descobrir um universo muito maior, o universo da rua. Essa que é a nossa casa, essa que nos acolheu, temos praças vazias e ruas esperando para serem ocupadas. 

Nesses últimos 4 anos, o aprendizado foi muito maior e descobrimos outras possibilidades que não só o espaço fechado, nos despimos das paredes e conhecemos mais a comunidade, estamos mais próximos do que nunca de nosso público. Se pensavam em acabar com o grupo fechando as portas, que nada, só nos fortalecemos. E com toda essa vontade nós comemoraremos 9 anos de (R)existência em um evento aberto,  a I Mostra de Performances Urbanas é nossa festa de aniversário, e acontece no dia 26 de agosto na Praça Padre Angelo Espadari, a partir das 20h. No evento, o grupo coloca em discussão a cidade, o país, a vida e suas implicações, o cotidiano pelos olhos da arte.

O evento será realizado pelos atores do Wankabuki e convidados, pois queremos agregar os artistas de rua e suas artes. Como convidado, Alessandro Costa, o Bife, que realiza trabalhos com grafite em Vilhena estará na praça demonstrando sua arte e o ator Bráz Dy Vinnuh trará performances para exibição. O grupo recebe apoio do Ponto de Cultura Cone Sul Plural e da ONG Beija Flor que são nossos parceiros e colaboradores.

Não podemos deixar que as artes de rua desapareceram nas avenidas, devemos usar mais as nossas praças, invadir mais, ocupar espaços ociosos e com o teatro temos todas as ferramentas para fazê-lo. Evoé, meus amigos, esperamos todos na Praça Padre Ângelo Espadari no dia 26!


A Apresentação
I Mostra de Performances Urbanas. Na Praça Padre Angelo Espadari. Dia 26 de agosto, domingo, 20h. 

terça-feira, 31 de julho de 2012

O que acontece no V Amazônia Encena na Rua? - II Parte


A Arena da Estrada de Ferro Madeira Mamoré sem nenhum espaço vazio e uma roda de pessoas envolvendo o local demarcado para as apresentações, essa foi a imagem que o público visualizou ao chegar no Complexo da Estrada de Ferro, no domingo, 29, último dia de apresentações do V Festival de Teatro Amazônia Encena na Rua.

            Público do dia 29, domingo.            Foto: Herbert Weil

Até o dia 29, passaram pela Arena da estrada de ferro diversos grupos, já falamos de alguns na postagem anterior e continuaremos nesta postagem. No dia 24, Terça-feira passou pela Arena o grupo de Teatro do SESI de Porto Velho com a Amazônia e a Princesa da Mata, produção que apresentou um belíssimo figurino. O Grupo Manjericão de Porto Alegre com As histórias de João Pé-de-Chinelo, monólogo encenado pelo ator Márcio Silveira que  mostra a história de um papeleiro que vive nas ruas, parques e praças catando materiais recicláveis. O teatro Imaginário de Maracangalha de Campo Grande (MS) fechou a noite com TEKOHA -  Ritual de vida e morte do deus pequeno, que narra a história de Marçal de Souza dos índios Guaranis no Mato Grosso do Sul. 


Teatro Imaginario de Maracangalha, Campo Grande(MS)   Foto: Valdete Sousa


A noite de quarta-feira, 25, iniciou-se com a dupla de palhaços Zão e Zoraida do grupo UEBA de Caxias do Sul(RS) que encantou o público com suas histórias em busca da felicidade, a simplicidade das piadas deixou as crianças e os adultos vidrados no espetáculo. O Palhaço Joca do Grupo Eureca de Macapá(AP), a exemplo dos últimos anos, roubou a cena com o espetáculo a Língua solta do Palhaço Joca. A noite encerra-se com A Cruz e a Moça da Cia Cacos de Teatro de Manaus(AM) que utilizando a linguagem da dança e da literatura de cordel fez um belíssimo espetáculo, leve, engraçado e surpreendente.

            Cia Cacos de Teatro, Manaus(AM)       Foto:Herbert Weil

A trupe do Palhaço Sorriso de Porto Velho(RO), inicia a noite de Quinta-feira, 26, com "Pelas barbas do Mandi e pelo suco do Açaí, apareceu um palhaço aqui" um show de malabarismo, equilibrismo, mágica e muita palhaçada, um circo inteiro dentro de uma mesma Companhia. O Juiz de Paz na Roça com o MAPI (Movimento, Arte, Pesquisa e Investigação) de Porto Velho(RO), trouxe uma montagem da obra de Martins Pena. O grupo Locômbia Teatro de  Andanças de Boa Vista (RR), fechou a noite com o espetáculo Mar Acá que trata das transformações culturais sofridas pelos índios, o grupo consegue inovar mesmo em um tema tão recorrente, utilizando-se da mímica, de música ao vivo, de personagens do folclore brasileiro e peruano.

        Grupo Locômbia teatro de Andanças de Boa Vista(RR)      Foto: Herbert Weil


Um espetáculo de Porto Velho abre a noite de Sexta-feira, 27, Julieta de Bela Flor, com o Grupo de Teatro Evolução,  que através de músicas e histórias da região norte contam a história das irmãs Lavousiê.  A dupla de Palhaços Pato e Laranjinha enlouqueceram o público e utilizando-se do humor pastelão arrancaram boas risadas de todos. João Cheroso e João do Céu entram em cena vendendo cordel e contando a história de Luiz Gonzaga, assim iluminam a noite ao fazer o público cantar em coral obras consagradas do Rei do Baião.  
        A dupla de Palhaços Pato e Laranjinha      Foto: Herbert Weil 
A noite de sábado, 28, foi marcada por grandes espetáculos de dança, dança do ventre com Thallisson Lopes que deu um show juntos com suas bailarinas. O grupo Locômbia teatro de andanças de  Boa Vista(RR) trouxe Odissi uma dança clássica da Índia que relembra a simbologia da Yoga e da meditação. A Cia. Será o Benedito? Rio de Janeiro(RJ) Entra em cena com Poropopó, espetáculo que mostra as aventuras de uma família de palhaços em busca de um grande número. E os anfitriões, o Grupo Imaginário, fecha a noite de sábado com Ferrovia dos Invisíveis, uma homenagem aos 100 anos da Estrada de Ferro Madeira Mamoré.
           Cia. Será o Benedito?      Foto: Herbert Weil
A última noite do Festival é marcada pelas grande atrações do Circo de Arena, todos os circences que passaram pelo picadeiro do Encena, voltam e realizam números ainda mais atraentes, a Trupe do Palhaço Sorriso fez um surpreendente número de Pirofagia que deixou a arena, que nesse momento estava super lotada, em um grande suspense, com todas as luzes apagadas e iluminados apenas pelas labaredas que vinham do centro da arena. A Cia. Cata e Conta trás as surpreendentes Histórias de Maga, uma lavadeiras cheia de sonhos e histórias para contar. Em seguida, as Histórias do Circo sem Lona da Cia Tia de Teatro, entra em cena com as artimanhas de dois palhaços que não tem muitos dotes e precisam ganhar  a vida. E para encerrar o Festival O Grupo Imaginário re-apresenta a Ferrovia dos Invisíveis.

     Trupe do Palhaço Sorriso Porto Velho(RO)    Foto: Herbert Weil
Nos nove dias de Festival foram mais de 27 espetáculos teatrais e outros tantos espetáculos de dança, além de apresentações voluntárias e improvisadas. Muitos debates no Seminário que aconteceu durante as tardes e pela manhã as Oficinas proporcionaram novos conhecimentos aos grupos. Nos espaços do Amazônia Encena houve aprendizado, troca, amizades, descontração, alegria. Que venha o VI Amazônia Encena na Rua, 2013 será ainda melhor, pois esperamos que os grupos de Porto Velho estejam ainda mais fortes e mais participativos dentro do Festival, que os grupos do interior do estado também estejam por lá, pois as informações que circulam neste espaço criado pelo Festival devem ser propagadas para todos os municípios do estado.  
                Oficina de Commedia del'Art     Foto: Valdete Sousa

sábado, 28 de julho de 2012

O que acontece no V Amazônia Encena na Rua?

Há sete dias que a mesma cena se repete: a arena da Estrada de Ferro Madeira Mamoré se ilumina, o som vai sendo ajustado pelos técnicos e os espaços na grande escadaria vão se preenchendo. Uma após outra as pessoas vão chegando. O apresentador do espetáculo anima o público e pronto, começa mais uma noite de grandes emoções da V edição do Festival de Teatro Amazônia Encena na Rua.

E desta maneira, o público da capital assistiu até sexta-feira, 27 espetáculos de dança e teatro de grupos de diversas partes do Brasil e da América Latina. Na noite de 22(domingo) a Cia. Juglarte de Guatire, Estado Miranda, Venezuela, apresentou o espetáculo La Imaginacion uma dupla de palhaços que acreditam ser grandes malabaristas e que transformam a cenas de malabares em grandes truques com muito humor e com a participação do público. No mesmo dia a Lamira Cia. de dança de Palmas(TO) fez os olhos do público brilhar com o espetáculo Do Repente, uma verdadeira mostra de criatividade, a cia traz através da dança contemporânea o Romanceiro popular do nordeste brasileiro de forma viva e audaz o público vibrou ao final da apresentação que foi aplaudida de pé.
Lamira cia. de dança de Palmas(TO)    FOTO: Herbert Weil


Melhor dizendo, a noite de domingo(22) foi repleta de grandes apresentações que prenderam o público de alguma maneira a permanecer na Arena até o final dos espetáculos. A cia. de Teatro nu escuro trouxe o espetáculo carro caído que é de maneira simples e cômica adaptou um conto de Câmara Cascudo e conta a história de Rubião um sujeito valente que tem uma estranha mania de falar nomes de santos misturados com nome de demônio. No decorrer do espetáculo os personagens vão ganhando forma e revelando-se ao público, o espetáculo dialoga diretamente com a platéia, os personagens valentes, os covardes, os vilões nem tão maus e os mocinhos nem tão bons são o diferencial e aproximam os personagens da realidade, pois ninguém é todo mau e nem todo bem. O Grupo Corpos Teatro Independente de Teresina(PI) fecha a noite de domingo com O Auto da Folia de Reis um musical Infantil construído a partir de quadras, lendas, parlendas, cantigas de roda e personagens folclóricos. O diferencial do espetáculo é o figurino rico em detalhes e cores vibrantes, além da maneira como apresentam-se formulados os personagens folclóricos:o jaraguá, a Ema, o boizinho.
Grupo Corpos teatro Independente de Teresina (PI)   FOTO: Valdete Sousa



A noite de segunda-feira(23) inicia-se pela Encantoria do grupo Experimental de Teatro de Rua e Floresta Vivarte, que realmente encanta pela habilidade musical e pelo conhecimento que demonstra ter da cultura dos povos da floresta, a maneira respeitosa que o espetáculo trata os símbolos, as lendas, as danças e os costumes oriundos da cultura popular e os saberes dos povos nativos. O segundo espetáculo da noite A paixão de Dionísio do GTRUA(Grupo de Teatro de Rua) de Belém(PA) conta a história do teatro ocidental utilizando-se de recursos simples, coloca em cena personagens do cotidiano: 2 garis e um vendedor ambulante e vale-se da simplicidade destes personagens para contar mais de 2 mil anos de história. O espetáculo que fecha a noite faz jus ao nome espetáculo, o grupo Buraco d'Oráculo de São Paulo(SP) entra em cena com Ser TÃO Ser - Narrativas da Outra Margem e deixa o público muito a vontade ao preparar um café no centro da Arena e logo em seguida servir às pessoas, enquanto conta sua história a personagem  passa um cafezinho e o público vai tomando café e se identificando com cada imigrante que passa pela cena. A história desenrola-se e o público assemelha-se cada vez mais com cada um dos personagens. Uma mostra da luta dos povos que abandonam sua terra em busca de novas perspectivas e encontra por onde passa mais luta e dificuldades.  


                                       Grupo Vivarte              FOTO: Valdete Sousa

                              Grupo Buraco d'Oráculo     FOTO: Valdete Sousa


Além desses espetáculos, passaram pela Arena da estrada de ferro até o momento, O grupo de Teatro do Sesi de Porto Velho com a Amazônia e a Princesa da Mata, o Grupo Manjericão de Porto Alegre com as histórias de João Pé-de-Chinelo, O teatro Imaginário de Maracangalha de Campo Grande (MS) TEKOHA -  Ritual de vida e morte do deus pequeno, Zão e Zoraida do grupo UEBA de Caxias do Sul(RS). Grupo Eureca com a Língua solta do Palhaço Joca de Macapá(AP), A Cruz e a moça da Cia Cacos de Teatro de Manaus(AM), Pelas barbas do Mandi e pelo suco do Açaí, apareceu um palhaço aqui com a trupe do Palhaço Sorriso de Porto Velho(RO), O Juiz de Paz na Roça com o MAPI(Movimento, Arte, Pesquisa e investigação de Proto Velho(RO) e o grupo Locômbia Teatro de  Andanças com o espetáculo Mar Acá de Boa Vista (RR). Faremos uma espanação sobre estes últimos espetáculos na próxima postagem junto com o fechamento do festival.



sábado, 21 de julho de 2012

Inicia-se o V Festival de Teatro Amazônia Encena na Rua

Chegada do cortejo ao Complexo da Estrada de Ferro Madeira Mamoré 
O cortejo de abertura do V Festival de Teatro Amazônia Encena na Rua partiu da Praça das Caixas d'água, às 18h deste sábado(21) rumo á Arena da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, em Porto Velho-RO.

Artistas de diversas companhias de teatro: palhaços, malabaristas, equilibristas, atores seguiram pelas ruas chamando a atenção do público com apitos e com muita animação, uma forma divertida de convidar a população da capital para participar do evento.

Neste primeiro dia ocorreu uma prévia com alguns artistas animando o público e os organizadores do eventos bem como representantes das entidades que estão ajudando o festival acontecer, o SESC, a SECEL e a Fundação Iaripuna, falaram um pouco sobre a importância do Festival para as artes cênicas do estado.

Esteve presente, ainda, Amir Haddad o grande mestre do teatro de rua no Brasil que falou sobre a satisfação de participar deste festival, segundo Amir "o Amazônia Encena é uma mostra de que valeu a pena ele ter começado sozinho a mais de 30 anos o movimento de teatro de rua".
A noite de abertura foi encerrada pela Banda do Amapá, São Batuques que apresentou ao público música regional, valorizando as características do modo de vida do norte e suas tradições, os ritmos e ritos das comunidades tradicionais quilombolas do Amapá.
Clique  aqui e veja fotos do evento

quarta-feira, 20 de junho de 2012

I Encontro de Fotografia acontece em Vilhena

I Exposição Fotográfica realizada pelo Clube 

O I Encontro de Fotografia de Vilhena ocorre neste mês de junho, entre os dias 22 e 24, no salão de festas do Portinari Hotel. O evento oferecerá aos participantes palestras, debates e conhecimentos a respeito da arte fotográfica, além dos passeios fotográficos.

O Clube de Fotografia de Vilhena(CFV) surgiu no inicio deste ano e tem por objetivo fomentar a produção artística e autoral da fotografia no município, promover a troca de experiencias e informações, entre outras ações. 

O Encontro de Fotografia será uma maneira de escambo de informações pois, fotógrafos de Manaus/AM e Porto Velho/RO já confirmaram presença no evento. A organização do evento ocorre em parceria com o Instituto Internex  e Fotógrafos Lentes da Amazônia, as duas entidades estão sediadas em Manaus/AM.

As inscrições podem ser realizadas clicando aqui na Ficha de Inscrição. Mais informações podem ser obtidas pela pagina do Clube de Fotografia no Facebook: http://www.facebook.com/groups/168260719944295/

Serviço:
Evento: I Encontro de Fotografia de Vilhena
Data: de 22 a 24 de junho
Local: Hotel Portinari



Fonte: Clube de Fotografia de Vilhena
Foto: Herbert Weil

domingo, 17 de junho de 2012

O Amor de Colombina

Apresentação na 8ª edição do Invadindo a Praça em 2011 na praça Nossa Senhora Aparecida - Vilhena/RO

sábado, 16 de junho de 2012

Performances Urbanas: Invadindo a Feira

Vídeo do Grupo de Teatro Wankabuki em uma intervenção na feira Municipal de Vilhena no dia 29 de abril (Domingo)

sábado, 9 de junho de 2012

Festival de Teatro em Porto Velho

Alunos da oficina de teatro IV Festival de teatro Amazônia Encena na Rua - 2011

A V edição do Festival de Teatro Amazônia Encena na Rua acontece este ano de 21 a 29 de julho. O grupo O Imaginário mais um ano traz para Rondônia a maior encontro das artes cênicas da Região. Os grupos de Teatro de Porto Velho podem fazer  as inscrições para o Festival  até o dia 15/06. 

Grupos de outras cidades do Estado podem se inscrever, mas sua participação estará condicionada à alguma contrapartida do Município.

O Festival vai acontecer na Arena do Complexo da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, juntamente com o 2º Seminário Amazônico de Teatro de Rua 2012.

Os grupos interessados devem enviar e-mail com os dados do grupo e do espetáculo, ficha técnica, fotos e/ou vídeos para o e-mail: oimaginarioro@yahoo.com.br com o assunto “Inscrição para o Amazônia Encena 2012”, até o dia 15. 


Fonte: Tapiri - O Imaginário
Retirado do Blog: tapirioimaginario.blogspot.com

segunda-feira, 30 de abril de 2012

WANKABUKI REALIZA INTERVENÇÕES NESTE DOMINGO


Maiko Estefano, Stefhany Wolf e Isabela Tabalipa no Pato Branco Shopping


Reflexão em três atos. Fome, violência e abuso sexual foram os temas representados pelos atores em cena.

Imagine-se na feira, fazendo suas habituais compras de domingo, ou comendo um pastel, ou ainda uma tapioca, e ser surpreendido por um grupo de pessoas que ligam uma pequena caixa de som e começam a construir cenas teatrais. Imaginou?

Pois foi isso o que aconteceu no domingo, 29 de abril, por volta das 8 horas da manhã. O Grupo de Teatro Wankabuki, estendendo as atividades realizadas na IV Oficina de Teatro Cena Aberta, resolveu intervir em ambientes com grande movimentação de pessoas para mostrar um pouco do trabalho desenvolvido em sala de aula. Na ocasião, doze atores, divididos em três grupos, construíram cenas de acordo com temáticas pré-estabelecidas: fome, violência e abuso sexual.

Para a confecção das cenas foi utilizada a Teoria do Oprimido, desenvolvida pelo teatrólogo brasileiro Augusto Boal, durante a década de 60, em plena Ditadura Militar. Dentro da proposta apresentada por Boal, foi adotado o jogo das massas de modelar, em que três dos atores de cada grupo ficavam inertes, enquanto o quarto ia moldando-os, conforme a cena desejada e que foi ensaiada durante a oficina.

Apresentaram-se os artistas: Daniela Gonçalves, Danielle Bezerra da Silva, Dennis Weber, Elieldo Alves Paes, Herbert Weil, Isabela Tabalipa, Mayko Estefano, Rafael Reis, Rutileia Barbosa, Shely Lisboa, Stefhani Wolf e Valdete Sousa.

O resultado das intervenções realizadas na Feira Municipal do centro (no período matutino) e no Park Shopping Vilhena (no período noturno) foi positivo, segundo a presidente do Grupo de Teatro Wankabuki, Valdete Sousa. “Os atores em cena, alguns estreantes, reagiram bem à atividade. Ocorre muito nervosismo nas primeiras apresentações, e a consequência disso pode ser o esquecimento dos movimentos, no entanto, isso não aconteceu. Todos se saíram muito bem”, ressaltou.

Segundo Valdete, as intervenções realizadas pelo grupo têm caráter marginal. “Nós não trabalhamos por dinheiro. Fazemos arte pela arte. É claro que precisamos de um mínimo de recurso para poder montar uma apresentação, mas mesmo assim não temos atrelamentos com empresas. Isso faz com nossas intervenções, como essas que ocorreram, sejam livres, momentos em que podemos fazer denúncias através do teatro. E o caráter dessas denúncias já é explicitado no cotidiano das pessoas, quando elas assistem a uma novela, por exemplo, onde são mostradas cenas de violência, e às vezes, até de abuso sexual. Nós só reforçamos esses assuntos, claro que com uma proximidade muito maior do espectador, por que estamos no mesmo ambiente que ele”, explicou.

Quanto à reação do público presente Valdete disse ser possível qualquer coisa. “O que a gente percebeu foi muita dúvida por parte das pessoas que passavam pelos ambientes. A maioria parava e olhava, e que acredito que se perguntava o que era aquilo. Mas ninguém atacou a gente”, explicou rindo.

“Esse tipo de atividade cênica é imprevisível. Todos que estão no local acabam se envolvendo de alguma forma. Acredito que na feira tivemos maior dificuldade, por ser um ambiente mais aberto, com pessoas gritando, outras buzinando para chamar a atenção para seus produtos e outras ainda trombando nos atores que estavam nos locais de maior fluxo de transeuntes. Muitos pararam, e ficaram realmente interessados naquilo que estava sendo exposto”, descreve.

Park Shopping Vilhena - Agora imagine-se no Park Shopping Vilhena, degustando um cappucino, um chopp ou qualquer outra coisa e de repente o som ambiente que, até então era dominado pelo sertanejo, é modificado e, irrompem dos alto-falantes as interpretações venais de Edith Piaf. Em seguida um grupo de indivíduos, todos vestidos de preto, entram e começam a criar cenas temáticas, sem pronunciar uma palavra sequer. Essa foi a segunda intervenção realizada pelo Grupo de Teatro Wankabuki, no domingo, 29 de abril. O horário escolhido pela trupe foi o noturno, e em ambiente fechado, executaram os movimentos realizados pela manhã, na feira municipal.

“O espaço do shopping é diferente. Porque não há tanto barulho quanto na feira. Todos estão sentados, degustando suas bebidas e comidas, mas quando veem uma movimentação fora do habitual, já ficam sobressaltados. Assim que entramos em cena, notamos o silêncio que aquela plateia fazia. No final aplaudiram a nossa apresentação”, disse Valdete.

Os atores - A concentração era o fator principal cobrado dos artistas em cena. “Achei que não conseguiria me apresentar, principalmente no shopping, onde muitas pessoas conhecidas estavam presentes. Mas o foco na atividade, fez com esquecesse por um momento que estava sendo observada, e assim pude realizar a atividade com desenvoltura”, relatou a universitária Daniela Gonçalves de Souza, 18, integrante do grupo há um ano.

Para o assistente social Rafael Reis, 25, que está no grupo há dois anos, a atividade foi impactante. “Não sabíamos a reação do público, então estávamos preparados para tudo. Achei que nem iríamos receber atenção das pessoas que estavam passando, mas não foi isso o que aconteceu. Muita gente parou para ver e no final aplaudiu”, descreveu.

O resultado da intervenção foi ótimo, segundo a estudante Isabela Tabalipa, 16, atriz no grupo há dois anos. “Achei muito legal a curiosidade com que as pessoas olhavam pra gente, ainda mais em uma situação não prevista por elas. Penso que elas acham que a gente seja um bando de loucos. E não estão totalmente erradas, né,” disse sorrindo.

Estreia - O nervosismo foi o grande obstáculo para aqueles que estavam iniciando nas artes cênicas, como apontou o estreante Elieldo Alves Paes, 22 anos. “Estava mais calmo na apresentação da manhã, mas quando soube que apresentaríamos aqui no shopping fiquei um pouco nervoso, mas depois da metade da apresentação conseguir ficar calmo”, narrou.

Frio na barriga também sentiu a universitária Danielle Bezerra da Silva, 22 anos. “Na apresentação da feira nem abri os olhos de tão nervosa que estava. Já na intervenção do shopping estava mais calma, mesmo com um monte de gente olhando pra mim, consegui abrir os olhos”, contou.

Foco foi a arma utilizada pelo locutor e produtor, Mayko Estefano, durante a performance. Acostumado com os bastidores do teatro, onde executa as funções de iluminador e sonoplasta, o acadêmico de Administração encarou a plateia pela primeira vez. “Mantive a concentração na atividade. Sabia que estava rodeado de pessoas, mas tinha um objetivo e acabei por cumpri-lo, sempre com uma sensação de tranquilidade me acompanhando”, falou.

Para o jornalista Herbert Weil, estrear com intervenções em espaços públicos e privados foi desafiador. “Isso porque o público foi escolhido pela gente, e não ao contrário, como é comum de acontecer. Então você fica ansioso, pensando o que pode acontecer durante a apresentação. Mas a atividade superou minhas expectativas. De um modo geral, achei muito pertinente a proposta da intervenção, de ter esse tom de denúncia. As performances que realizamos tiveram como objetivo mostrar que problemas existem, e que a gente deve parar para pensar neles e procurar uma solução”, descreveu.

TEXTO: DENNIS WEBER
FOTOS: NAYARA PECINATO

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Grupo de Teatro realiza intervenção

O grupo de Teatro Wankabuki realizará no próximo domingo, 29 de abril, uma intervenção em algum espaço urbano de Vilhena-RO. Ainda é segredo a atividade, não se sabe qual o teor da apresentação, nem mesmo onde acontecerá. A divulgação está sendo realizada por meio de dois vídeos postados no You Tube e veiculado nas redes sociais. Fiquem atentos, pois pode ser que brotem atores em qualquer espaço da cidade. Veja os vídeos: 



terça-feira, 17 de abril de 2012

Projeto Circo 2012

Wankabuki no Dia do Circo em 2011

A Escola Ângelo Mariano Donadon realiza nesta quarta-feira(18) a segunda edição do Projeto Circo: Espetáculo que mobiliza plateia e constrói saberes. O Projeto iniciou em 2011 e foi idealizado pela Professora Lucimar Rodrigues(da sala de AEE), em 2012, desde o mês de fevereiro os professores estão trabalhando nas turmas de 1º a 4º anos conteúdos referentes ao circo. Temas que vão da origem do circo até algumas técnicas simples para crianças.
O objetivo do projeto é resgatar a arte circense junto às crianças que estão perdendo o contato com este tipo de arte devido as inúmeras tecnologias existentes e a forma como os artistas circenses vêm perdendo valor na sociedade moderna. Para a realização do projeto toda a escola foi mobilizada, os professores estão engajados na preparação dos alunos, na decoração do espaço, os pais e a equipe de apoio da escola que está confeccionando a maioria dos figurinos das crianças.
O Grupo de Teatro Wankabuki fará uma apresentação especial com as palhaças Jujubinha e Paçoquinha, a exemplo do ano anterior que levou o espetáculo O amor de Colombina na primeira edição do projeto. Será muito divertido, pois as palhaças pretendem aprontar muitas travessuras. O Wankabuki está sempre presente em projetos como esse que valoriza a cultura popular e busca incentivar a formação de novos artistas e novos públicos. 
"O melhor do projeto é poder contribuir com a cultura, resgatando valores da arte popular, pois muitas dessas crianças não tem acesso a atividades culturais desta natureza. é gratificante o sorriso de cada criança diante do colorido e da alegria do crico". Afirma Lucimar Rodrigues.



Serviço
Evento: Finalização do projeto Circo
Onde: Escola Angelo Mariano Donadon
Quando: 18/04/2012
Hora: a partir das 15h00min

terça-feira, 27 de março de 2012

Dia Internacional do Teatro


Palhaça Jujubinha na 10ª edição do Invadindo a Praça/2011


O Dia Mundial do Teatro é 27 de março, e o Grupo de Teatro Wankabuki irá comemorar a data com a IV Oficina cena Aberta, que inicia-se dia 30 de março(sexta-feira). O objetivo é celebrar e valorizar a arte cênica, a arte circense e a arte urbana. A oficina será ministrada no auditório da SEDUC, pelas oficineiras Lu Rodrigues e Valdete Sousa e começa às 19h.
Há 50 anos, Jean Cocteau proferia a mensagem que inaugurava as celebrações do primeiro Dia Mundial do Teatro, criado em 1961, pelo Instituto Internacional de Teatro da UNESCO e também data da inauguração do Teatro das Nações, em Paris. Desde então que, a 27 de Março, se homenageia, um pouco por todo o mundo, as artes do espetáculo, também junto do seu objeto: o público. A festa faz-se nos palcos e representa-se um pouco por todo o mundo.
Também neste mesmo dia se comemora o Dia Nacional do Circo, data do nascimento de Abelardo Pinto, Palhaço Piolin - pioneiro na introdução do circo nas artes cênicas no século XIX – 27 de março, é o dia Nacional do Circo, comemorado no Brasil.


segunda-feira, 26 de março de 2012

Começa a IV Oficina Cena Aberta


A IV Oficina Cena Aberta, ministrada pelo Grupo de Teatro Wankabuki, inicia-se no próximo dia 30(sexta-feira). O objetivo da Oficina é formar novos atores locais e aprimorar os conhecimentos dos atores do grupo. As inscrições para a oficina estão abertas desde o dia 13 de fevereiro e encerram-se dia 28 de março podendo ser realizadas através da página do grupo http://grupodeteatrowankabuki.blogspot.com.br/.
Foram oferecidas 30 vagas para maiores de 16 anos.  A oficina será ministrada no período entre os dias 30 de março e 28 de abril, nas sextas-feiras, das 19h00min às 21h30, e nos sábados, das 14h30min às 18h, no Auditório da SEDUC. A oficina terá carga horária de 40 horas com certificado de conclusão para os participantes. A taxa de inscrição é de R$ 15.
As pessoas que realizaram sua inscrição deverão comparecer, dia 30 de março(Sexta-Feira), no Auditório da SEDUC às 19h.

SERVIÇO
Evento: IV Oficina Cena Aberta
Local: Auditório da SEDUC
Data: 30 de março a 28 de abril
Hora: Sextas-feiras: 19h ás 21h30min/ Sábados: das 14h30min as 18h
Inscrição: R$ 15
Mais informações: grupodeteatrowankabuki@hotmail.com ou 8446-6408

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Abertas as Inscrições para a IV Oficina Cena Aberta




Associação de Teatro e Educação Wankabuki - ATEW

GRUPO DE TEATRO WANKABUKI
Regulamento da IV Oficina Cena Aberta/2012

Atenção: Ao começar a ler este Regulamento, analise se realmente tem a intenção de participar da Oficina e só preencha a inscrição se tiver certeza que deseja e possui condições de participar das aulas.

DAS INSCRIÇÕES
  1. As inscrições para a IV OFICINA CENA ABERTA serão realizadas de 13 de Fevereiro a 26 de Março/2012;
  2. Serão oferecidas 30 vagas;
  3. Para efetivar a inscrição no processo de seleção, o candidato deverá aceitar e cumprir as regras do presente Regulamento, e realizar o seguinte procedimento:
    1. Preencher Corretamente todos campos do Formulário de Inscrição e enviá-lo on-line no endereço eletrônico do Grupo http://grupodeteatrowankabuki.blogspot.com até o dia 26 de Março/2012.
    2. Pagar a taxa de inscrição no valor de R$ 15,00{Quinze reais), até o dia 30 de março/2012.
  4. Somente serão aceitas inscrições de candidatos que:
    1. Tenham idade acima de  16 anos;
    2. Tenham realizado sua inscrição impreterivelmente até o dia 26 de Março/2012.
    3. Para participação na Oficina os candidatos devem levar:
1. Documento de identidade;
2. Para menores de 18 anos, além do próprio documento de identificação: autorização dos pais ou responsáveis para participação na oficina.

DA REALIZAÇÃO
  1. As aulas serão realizadas em dois dias da semana: sextas-feiras das 18 às 21h30min e aos sábados das 14 às 18h, de 30 de março/2012 a 28 de abril/2012;  
  2. O local de realização da Oficina será definido e os candidatos serão avisados por e-mail;
  3. Para as aulas, os candidatos deverão portar roupas confortáveis (malhas), de preferência na cor preta;
  4. Cada aluno deverá providenciar água para consumir durante as aulas;

DOS CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÂO
Serão analisados:
1. As experiências anteriores em grupos, oficinas ou curso de teatro;
2. A motivação e interesse em participar;
3. Se houve desistências em outras oficinas realizadas pelo grupo;
4. Serão montados espetáculos para serem apresentado em espaços públicos da cidade de Vilhena. O participante, no ato da inscrição, portanto firma um compromisso junto ao Grupo Wankabuki, ao garantir sua participação até o término da oficina.
5. Ao final da Oficina o participante que concluir todas as aulas e participar das atividades finais receberá o certificado de conclusão de 40h/a.
6. O participante poderá, ainda, ser convidado para participar da Oficina de Preparação de atores que acontecerá em Maio/2012, com o intuito de preparar o elenco para o curta Morte Secreta;

Em caso de outras dúvidas que não foram sanadas neste regulamento fazer contato pelo e-mail: grupoteatrowankabuki@hotmail.com

Vilhena, 12 de Fevereiro de 2012.
INSCRIÇÕES ENCERRADAS


Obrigado por visitar a página!

O grupo de Teatro Wankabuki surgiu na Universidade Federal de Rondônia, em agosto de 2003, começaram as reuniões aos sábados no auditório da Unir.O primeiro espetáculo montado pelo grupo foi Morte e Vida Severina uma adaptação do texto de João Cabral de Melo e Neto, feita por Luiz Antônio de Araújo.Em seguida, o grupo montou A Lenda da Ecologia texto do Prof. Oswaldo Gomes que estreou em 20 de julho de 2005. A peça participou do Festival de Teatro Coração de Rondônia, no município de Ji-paraná em agosto desse ano.Em 2006 são montados mais dois espetáculos: Vai, Carlos! Ser Gauche na vida que estréia em 07 de abril e Tragédia no lar apresentado pela primeira vez na escola Wilson Camargo para os alunos do período noturno. Os dois espetáculos são adaptações das poesias, respectivamente, de Carlos Drummond de Andrade e Castro Alves. Em 2009, estreia Perdidos na Floresta texto de Antero de Sales e o grupo inicia os trabalhos para se institucionalizar, em janeiro de 2010, o grupo de Teatro Wankabuki consegue seu registro, com a Razão social de ATEW - Associação de Teatro e Educação Wankabuki.







Quem sou eu

Minha foto
Lacunas que a vida não completa, são como obras esperando ser escritas, preenchidas...