Páginas

Seja Bem Vindo!

"A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas, não é copiar sua aparência. (Aristóteles)






quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Wankabuki na semana da criança

             Jujubinha, Goloso, Paçoquinha e Colombina em Cerejeiras  Foto: Dennis Weber
Em comemoração ao dia das Crianças, o Wankabuki fechou uma programação especial que iniciou-se no dia 09 de outubro com o projeto Leitura Itinerante e a presença da Velhinha Maluquete, maluca por histórias na Escola  Castelo Branco a partir das 07h30min. A Velhinha contou histórias e animou as crianças do 1º ao 5º ano do ensino Fundamental, para atriz Lu Rodrigues que interpreta a personagem "Essa proximidade com a criança é muito importante, pois além delas ouvirem as histórias, há o contato com as obras levadas pelo projeto que é de suma importância, pois a criança que lê será um possível leitor na vida adulta."
            Velhinha Maluquete em Contação de histórias           Foto: Valdete Sousa
Dando continuidade à semana da Criança, a palhaça Jujubinha e o palhaço Goloso estarão no dia 10 de outubro, às 15h30min, na CASAI (Casa de Saúde do Índio) apresentando para crianças indígenas que estão em tratamento médico, o evento é organizado pela Assistente Social Franciele Macedo. O Ator e também Assistente Social Rafael Reis que interpreta o palhaço Goloso está muito feliz com a iniciativa e afirma que: "Essa apresentação na CASAI é uma maneira de contribuir de forma diferente no tratamento daquelas crianças, levando a arte, o sorriso e a alegria".
                            Jujubinha e Goloso Na Praça dos Pioneiros em Cerejeiras   Foto: Dennis Weber
Ainda na semana da Criança, a dupla de palhaços estará presente em uma palestra organizada pela empresa Nissey Máquinas junto ao Pelotão de Trânsito da Polícia Militar, no dia 12 de outubro, às 08h00min na Nissey Máquinas. Nessa palestra as crianças aprenderão diversas informações sobre  trânsito, tais como utilizar a faixa de pedestre e outras medidas de seguranças que devem ser tomadas dentro ou fora de um veículo.

E nesse clima de palhaçada e muitas histórias o Wankabuki comemora mais um ano junto com as crianças da cidade. Feliz dia das Crianças a todos!!!


        Jujubinha em apresentação Cerejeiras/RO      Foto: Francini Carboni


terça-feira, 8 de outubro de 2013

José & Cia no Barzin

            Soldado e Pin-up na temporada 2013  Foto: Helen Cristina
A temporada 2013 do espetáculo José e Cia, que estreou no mês de setembro em Vilhena, continua. Dessa vez, o Grupo de Teatro Wankabuki apresenta-se no Barzin, espaço alternativo que nos últimos meses vem reunindo pessoas ligadas a diversos segmentos culturais. Serão duas apresentações no mês de  outubro: na Sexta-feira(11) e no sábado(12), sempre às 22h30min.

O espetáculo José e Cia é uma peça experimental que está em constante construção, trabalho que o Wankabuki desenvolve desde 2006, estudos sobre a obra de Carlos Drummond de Andrade. A cada apresentação a peça se modifica, pois o contato dos atores com o público cria novas possibilidades e o ator explora mais, a cada apresentação, o jogo público-ator. Toda apresentação tem um elemento novo ou diferente, portanto quem viu uma vez não viu tudo.



A apresentação no Barzin é um desejo de antes da estreia da peça, que concretiza-se agora. Em cena: Gabriele Moraes, Evelys Destro, Isabela Tabalipa, Núbia Rodrigues, Valdete Sousa e Rafael Reis, todos esses atores testando seus limites e convidando o público a testar-se também.

As apresentações do Grupo de teatro Wankabuki contam com o apoio do Ponto de Cultura Cone Sul Plural ponto de apoio não só do nosso grupo, mas também de tantas outras manifestações culturais que ocorrem no Cone sul do estado. 

Evento:
Espetáculo José e Cia
No Barzin(Situado na rua. 603, nº 640, Parque São Paulo)
Nos dias 11 e 12 de Outubro.
Ás 22h30min
Ingressos ao Chapéu
Classificação 16 anos

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Wankabuki apresenta José e Cia neste fim de semana


Núbia Rodrigues José e cia em 2012              Foto: Herbert Weil
O Grupo de Teatro Wankabuki inicia neste dia 26 de setembro(Quinta-Feira) a temporada 2013 do espetáculo José e Cia, adaptação de poesias de Carlos Drummond de Andrade e outros poetas. As apresentações continuam nos dias 27(Sexta-Feira) e 28(Sábado), no espaço do Ponto de Cultura Cone Sul Plural, às 20h.

O espetáculo José e Cia é uma peça experimental que está em constante construção, trabalho que o Wankabuki desenvolve desde 2006, estudos sobre a obra de Carlos Drummond de Andrade. A relação do homem consigo mesmo e com o mundo que o cerca: as dores e as delícias de ser humano. A peça transporta o público para um tempo-espaço de conflitos: as duas guerras mundiais, a ditadura no Brasil, os protestos, a guerra diária de trabalho e luta que deixa o homem imerso em suas correrias cotidianas.

Em cena cinco atrizes e um ator: Gabriele Moraes, Evelys Destro, Isabela Tabalipa, Núbia Rodrigues, Valdete Sousa e Rafael Reis, alguns andaimes, bancos e o público. Em José e Cia os atores testam seus limites e convidam o público a testar-se também. 

Evento:
Espetáculo José e Cia
No Ponto de Cultura Cone Sul Plural(Situado na rua. Presidente Médici, nº 333, Centro, Próx. à Padaria Fiorentina)
Nos dias 26, 27 e 28 de setembro
Ás 20h
Ingressos a R$20,00 (inteira) R$ 10,00 (estudante)
Classificação 16 anos

domingo, 8 de setembro de 2013

A Pereira da Tia Miséria em Vilhena

Vilhena recebe, no próximo dia 10 de setembro, o  espetáculo A Pereira da Tia Miséria pelo Palco Giratório. O grupo Ás de Paus(PR) apresenta-se na Praça do bairro São José, às 19h30min. O SESC/RO mais uma vez trás para o município uma excelente atração aberta a todos os públicos de forma gratuita. Vamos prestigiar e valorizar o teatro de rua. EVOÉ!!!

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Agosto das Artes em Vilhena

Músicos Bira Lourenço e Catatau na Praça do Shopping     Foto: Nettu Regert
Agosto das artes, o município de Vilhena recheado de cinema, teatro, música e muita diversão.

Durante todo o mês de agosto ocorreram diversas atividades culturais no município de Vilhena, promovidas pelo SESC/RO. No início do mês, nos dias 10 e 11 ocorreram as apresentações do projeto Sonora Brasil que trouxe à Praça do Shopping dois grupos de música regional: O grupo Sons da Beira(RO) e o Grupo Samba Raízes de Tocos(BA). Na semana seguinte, iniciou-se a Mostra Pré-Silic de Cinema e Literatura que exibiu no auditório da Universidade Federal de Rondônia, durante três dias:18,19 e 20, quatro filmes : Palavra (En) cantada, um documentário sobre a relação poesia/música; Rio de Janeiro-Minas uma Ficção baseado em um episódio do livro Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa, Mutum um filme de ficção construído através de um capítulo do livro Campo Geral de Guimarães Rosa; e Poesia, o drama de uma mulher que renasce após entrar em um curso de poesia, mas volta a chocar-se com as crueldades da vida.

Dholiman Balestrin e Valdete Sousa em O dragão de Macaparana     Foto: Nettu Regert 
Para finalizar a semana cultural, nos dias 22 e 23 ocorreram apresentações de Leituras Dramatizadas, resultados da Oficina do Projeto Leituras em Cena oferecida aos atores da cidade nos dias nos dias 05, 06 e 07 de agosto pela dramaturga Maira Jeannyse(RJ). Os textos apresentados nesse  ciclo de leituras foram de autoria de escritores rondonienses: no dia 22 foram lidos O Dragão de Macaparana, dramaturgia de Fabiano Barros com direção de Valdete Sousa e elenco: Bráz Dy Vinnuh, Elieldo Paes, Everton Barbosa, Dholiman Balestrin e Já passa das oito, dramaturgia de fabiano Barros e direção de Dholiman Balestrin e elenco: Evelys Destro, Kátia Gondin, Débora Azevedo. 

 Bráz Dy Vinnuh e Fernando Júnior em Memórias da Carne    Foto: Nettu Regert
No dia 23 a programação contou com três  textos, Em Pé de Guerra, dramaturgia de Bráz Dy Vinnuh e direção de Celso Gayoso e elenco: Geissy Reis e Dholiman Balestrin; Memórias da Carne, dramaturgia de Fabiano Barros e direção de Celso Gayoso e elenco: Bráz Dy Vinnuh e Fernando Júnior; e Magdala, dramaturgia de Francis Madson e direção de Dennis Weber e elenco: Gabriele Moraes, Jeferson Batista, Kharem Bridi, Keslley Júnior, Maycon Moura e Helen Cristina na operando luz e som em todas as leituras.

   Kharem Bridi e Maycon Moura em Magdala     Foto: Nettu Regert

Toda essa programação, proporcionou a união entre os atores da cidade que resolveram realizar uma mostra, no domingo(25), com o filme Evoé: Retrato de um Antropófago que trata da obra de Zé Celso Martinez e das ações do grupo de teatro Oficina. Após a exibição do filme ocorreu uma discussão sobre a a obra e as ações realizadas por grupo locais. A exibição contou com atores de três grupos de teatro diferente e ocorreu no espaço do Ponto de Cultura Cone Sul Plural.

Atores e diretores participantes da leitura em discussão ao final da atividade


quinta-feira, 1 de agosto de 2013

VI Festival Amazônia Encena na Rua - a participação dos mineiros

Relatos de Mariana Arruda do Grupo Maria Cutia sobre sua primeira vez no Amazônia Encena na Rua 2013

Na última semana, Porto Velho, Rondônia, tornou-se a capital brasileira do teatro de rua. A grande Arena Madeira Mamoré foi palco do 6o. Festival Amazônia Encena na Rua e recebeu  grupos de teatro de rua de São Paulo, Porto Alegre, Brasília, Sorocaba, Cuiabá, Belém... e esses mineiros mambembes que adoram se aventurar com seu teatro cheio de "uais" e "trens" por esse Brasilzão.


Na maior responsabilidade (será que esses jecas aqui mereciam tanta honra?), fizemos a abertura do festival com o CONCERTO EM RÉ. E era tanta emoção que até São Pedro se rendeu às loucuras de Baco e mandou um inverno pesado pro calor amazônico, saudando a chegada do festival. Nosso rock foi aquecido pelas gargalhadas do público e, juntos, nos deliciamos com o super-macho Silas (que não "vaSILAS" no teste de macheza) e cantamos nota por nota do Real, todos os bichos que vivem no nosso dinheiro. Pra se ter uma ideia do frio da noite, os gaúchos do Oigalê tiveram que cancelar o espetáculo. Notícia de jornal que a gente só vê na Amazônia: "Gaúchos enfrentam frio em Rondônia".


Abertura do Festival

Nosso "fã-clube" rondonense, completamente enlouquecido, é tão lindo e louco que deixa a gente sentir que somos mesmo a banda de desconhecidos mais famosa do mundo. Foi tanto autógrafo, tanta foto, tanto abraço, tanta palma que nem o frio atrapalhou o calor do público. Begônia, ao final, ganhou flores jogadas da platéia - era o que faltava pra sentir-se completamente diva. Chicão, sonhador e criador do festival, ainda comete a insensatez de ceder-lhe a coroa do seu reino imaginário e a palhaça, por uma noite, torna-se rainha (ou boba?) da corte de Porto Velho. Ousada, Begônia ainda atravessa o rio Madeira pra reinar (e palhaçar) por lá, ao lado de Quixote - cavaleiro de rua que ao lado do seu gari, Sancho, aventura-se na comunidade ribeirinha de São Sebastião. O Circo Mínimo, de SP, nos presenteou com sua tão urbana versão de Dom Quixote, feita ali, na beira do Madeira, prum povo tão simples e cheio de doçura no olhar. E encheu o nosso coração de fazer o NA RODA lá um dia.    

Begônia - rainha (ou boba?) da corte de Porto velho - capital do teatro de rua

Pelas manhãs, na beira do Rio Madeira, aconteciam nossos encontros com os artistas da cidade e do festival, na oficina brincante. Voltamos com um tantão de novas canções que aprendemos com os atores do Pará - gente que brinca tanto, tanto, que mesmo quando cresce ainda deixa brilhar a brincadeira na pele, na cabeça e no coração.

Grupo de brincantes com cara de Seu Matias na beira do Rio Madeira
Toda tarde, o festival promovia debates entre os grupos convidados. Juntos pensamos no ofício do artista de rua, na política pública cultural de cada cidade e compartilhamos histórias, ideais, sonhos e realidades. Há quem use microfone, a quem escolhe não usar. Há quem vai pra rua sem precisar de alvará, há quem pague taxa pra fazer seu espetáculo na praça. E adivinha qual é a única cidade que se paga taxas e se precisa de alvará pra artista de rua?  Quem for amigo do prefeito, avise a ele que é só aqui em Belo Horizonte é que é isso, tá?

Filosofia do espetáculo "João Pé-de-Chinelo", do Grupo Manjericão/RS

Nosso Shakespeare, com moldura de serragem dourada, ganhou a Arena Madeira Mamoré no segundo dia de festival. O público, cheio de delicadeza, calou-se pra ouvir cada detalhe do texto. COMO A GENTE GOSTA fez a gente rir e suspirar juntinho com a platéia, neste tempo e espaço paralelo pra onde o teatro nos transporta. E uma história contada e cantada assim em sintonia com o público é o maior presente que um ator pode viver.

COMO A GENTE GOSTA no segundo dia do Festival
NA RODA foi brincado no último dia de festival. Dia em que a arena estava mais cheia e a temperatura mais quente. E brincamos e cantamos, cheiinhos deste sotaque de Minas. Numa grande roda, cheia de artistas de todo Brasil de mãos dadas com esse público lindo, encerramos nossa participação no Amazônia Encena na Rua.

NA RODA no último dia do Festival
Esse tal teatro é mesmo a arte do encontro. Encontro com outros que como nós, escolheram o teatro como vida e a rua como palco. E conviver, conversar, rir e reclamar com outros artistas, faz a gente perceber que tem um tanto de trem diferente de um estado pra outro, mas um tantão de trem igual também. As bobagens dos meninos do Nativos Terra Rasgada de Sorocaba - que fazem chacota de qualquer gaguejadinha de uma mineira -, a brutalidade dos gaúchos do Oigalê  - que enfrentam e encantam o público com aquele vozeirão sulista, sem microfone, sem nada -, a força política dos Pavanelli - que, com as experiências que vivem em SP, vão dando exemplo pra gente lutar por aqui -, a alegria brincante dos Madalenas - que vai levando o encanto de Belém por onde passam -, a poesia do Tibanaré - lá de Cuiabá, num teatro delicado e sensível -, a coragem e força do Zé Regino, do Celeiro das Antas, e do Márcio, do Manjericão, que sozinhos enfrentaram aquela arena toda. 
O fato é que sempre que encontramos com toda a equipe de O Imaginário (coletivo de arte de Porto Velho) e observamos um trabalho feito com tanto, tanto, carinho e cuidado, sem qualquer apoio do estado ou do município, faz a gente pensar que o teatro é mesmo uma religião, uma família, um ato político, uma bacia que mistura o sensível e o provocador, o trágico e o cômico. Esse povo de Rondônia faz a todo tempo a gente repensar nosso trabalho, nossas vontades, nosso mundo, nossa arte e nossas vidas. E pra quem não conhece o tal do Chicão Santos, procure conhecer, porque o trabalho deste homem do teatro deveria ser aplaudido por todo o Brasil.

NA RODA do alto da Arena

Por fim, falemos do público. Gente que ama teatro, que tem fome de arte e que ocupa a Arena Madeira Mamoré, faça frio ou calor, com cobertor ou com leque, pra rir ou pra chorar. Plateia generosa, aberta ao jogo do teatro que é feito 50% por parte dos artistas e a outra metade pela cumplicidade com o público. Eram 3 espetáculos por noite, com linguagens artísticas diferentes e o público, firme e forte, construindo cada um deles junto com a gente. 


Obrigada pelo carinho mais uma vez, Rondônia! E só temos a dizer que vai ser sempre um prazer sem tamanho voltar a essa terra linda. E que, em breve, a gente festeje um novo encontro, nesta arena, na beira do Madeira. 


Viva o teatro de rua!

Fonte: Blog do Grupo Maria Cutia

Goloso, Jujubinha e Paçoquinha em Cerejeiras


domingo, 23 de junho de 2013

Aberta inscrição para oficina de teatro

Alunos da IV Oficina Cena Aberta em 2012.

O Grupo de Teatro Wankabuki abre inscrições para a Oficina de Iniciação Teatral que será realizada no mês de Julho. A oficina acontece nos dias 12, 13 e 14 de julho, no espaço do Ponto de Cultura Cone Sul Plural. 

A oficina tem o intuito de formar novos atores para atuação nas peças do grupo e faz parte das ações em comemoração aos 10 anos de criação do Wankabuki. Os interessados em participar da oficina devem atentar para as seguintes informações: 1- Não serão aceitas inscrições de  menores de 18 anos; 2- O participante deverá ter disponibilidade de tempo para participar nos seguintes dias e horários 12 (sexta-feira) das 18h às 21h30min, 13 (sábado) e 14(domingo) das 14h às 18h.

As inscrições estão abertas de 23 de junho a 10 de julho somente on-line, através do formulário que deve ser preenchido aqui no blog do grupo. A oficina é gratuita, se você se encaixa nas informações citadas acima e deseja participar ativamente da cena cultural da cidade clique e preencha o Formulário de Inscrição

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Projeto Dramaturgia Leituras em Cena

A segunda Oficina de leitura dramatizada oferecida pelo SESC/RO aconteceu no mês de abril com o ator Flávio Vidaurre (RJ). O resultado dessa oficina o público poderá conferir dia 21 de maio/2013, no Auditório da UNIR campus de Vilhena, às 19h. 
O projeto é importante pois proporciona a troca de experiências entre os atores locais e artistas de outros estados, além de ser uma maneira de apresentar novos autores e novas maneiras de se representar. Vilhena e Cacoal são as únicas cidades do interior do estado a receber o projeto, devemos isso, graças ao trabalho desenvolvido na área do teatro por grupos independentes que mantém a arte em movimento nessas cidades.
O autor dos textos dessa leitura é Ilo Krugli um argentino naturalizado no Brasil em 1961, é autor, diretor, educador, um importante nome para a arte-educação brasileira.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Espetáculo Severina em Colorado do Oeste

Liliane Cristina em Severina
Jeferson Lázaro no II Sarau da Boca pra Fora 


















O município de Colorado do Oeste recebe, no próximo dia 09 de maio o espetáculo Severina, adaptação da Obra de João Cabral de Melo Neto Morte e Vida Severina com direção de Valdete Sousa. O evento acontece na FAEC - Faculdade de Educação de Colorado do Oeste, com início às 19h30min. 
O espetáculo Severina estreou em Vilhena em 2010, mas por ser um espetáculo montado para caixa e como Vilhena não dispõe de muitos espaços apropriados para a encenação a peça estava engavetada. Por solicitação da FAEC o Wankabuki voltou a trabalhar o texto com um novo elenco: Diomar Soares, Elieldo Paes, Liliane Cristina, Shely Lisboa e Valdete Sousa e na Sonoplastia e iluminação Rafael Nunes. Severina é um auto que retrata a imigração do povo nordestino em busca de melhores condições de vida, em defesa da esperança e um anseio por um país melhor.
Além da apresentação do Wankabuki, haverá o show do cantor Jeferson Lázaro com um vasto repertório de excelentes músicas da MPB e Pop Rock, logo após o espetáculo o cantor irá entreter a todos com seu carisma e sua boa música.
Esse evento é realizado pelo Grupo de Teatro Wankabuki em parceria com a FAEC e com o apoio do Ponto de Cultura Cone Sul Plural que cederá todos os equipamentos necessários, além de ser o nosso local de ensaios semanais. Assim como, a Universidade Federal de Rondônia - UNIR que nos emprestou o espaço do Auditório para ensaios finais no palco.


Evento: Espetáculo Severina
            Show Jeferson Lázaro

Dia: 09 de maio de 2013

Local: FAEC - Colorado do Oeste

Hora: 19h30min

quinta-feira, 21 de março de 2013

Wankabuki apresenta-se no Projeto Circo em 2013

Jujubinha e Paçoquinha no Invadindo a praça


Pelo terceiro ano consecutivo o grupo apresenta-se no Projeto.


As palhaças do grupo de teatro Wankabuki darão o ar de sua graça, pelo terceiro ano consecutivo, no projeto realizado pela escola Municipal Ângelo Mariano Donadon, Projeto Circo: Espetáculo que mobiliza plateias e constrói saberes. A apresentação marca a abertura do projeto, neste sábado, 23 de março, às 08h, no Auditório da Escola.

As palhaças Jujubinha e Paçoquinha, desta vez acompanhadas das amigas Fofolete e Amorinha, apresentam o espetáculo Travessuras e Gostosuras, com números novos, mais palhaçadas, mais charme e graça. O projeto Circo é importante para a sociedade, pois resgata uma arte que está quase esquecida pelas crianças: a arte circense. A figura do palhaço, atualmente, está relacionada ao medo ou mesmo à simples pessoas vestidas com roupas coloridas que distribuem doces. 

O projeto tem a finalidade de revelar o verdadeiro papel do circo: a diversão. Demonstrar às crianças da contemporaneidade que há diversão em cambalhotas, malabares, rosto pintado, poesia e arte. O grupo Wankabuki apoia iniciativas como esta que traz a arte para a escola, portanto participa de forma voluntária nesse projeto, contribuindo para a diversão de crianças que muitas vezes não tem chances de ver um espetáculo. Então esperamos todos na Escola Ângelo Mariano Donadon, sábado, às 08h.  


segunda-feira, 4 de março de 2013

Wankabuki realiza Oficina de Teatro para alunos da rede pública

Alunos das escolas estaduais receberão aulas de teatro uma vez por semana


Alunos da Oficina de iniciação teatral oferecida pelo grupo 
Estão abertas as inscrições para a Oficina de Iniciação Teatral para alunos da rede estadual de ensino em Vilhena. A oficina será uma parceria com a Escola Marechal Rondon que fez contato com  a diretora do grupo Valdete Sousa e solicitou a oficina. Como há outras escolas interessadas, podem participar alunos da rede estadual de ensino de qualquer outra escola. As aulas serão realizadas na Escola Marechal Rondon, aos sábados das 09h30min às 12h30min, a data prevista para o início das aulas é 13 de abril.

Os requisitos básicos para participar da Oficina são: ter idade mínima de 14 anos, está regularmente matriculado em alguma escola da rede estadual de ensino em Vilhena(alunos que não estudam no Marechal Rondon deverão levar uma declaração da escola onde estuda), ter autorização dos pais ou responsáveis para a participação(levar autorização por escrito) e ter interesse em teatro. O aluno que deseja participar deve preencher a Ficha de Inscrição aqui no blog ou procurar a escola Marechal Rondon.




terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

O Imaginário refaz a trilha de Rondon

Atores de O Imaginário em Memórias da Guerra     Foto: arquivo do grupo
Grupo de teatro O Imaginário refaz a trilha de Rondon levando apresentações e oficinas



De 13 de fevereiro a 03 de março, o grupo O Imaginário vai percorrer as cidades ao longo da BR 364, de Porto Velho (RO) a Chapados Guimarães (MT), com apresentações de espetáculos, vivências, oficinas, trocas e convivências com o público, artistas e grupos de teatro de Rondônia e Mato Grosso.

Fazendo o caminho inverso que Marechal Cândido Rondon fez, no início do século XX, ao desbravar o oeste do país instalando milhares de quilômetros de linhas telegráficas, mapeando os terrenos e estabelecendo relações cordiais com os índios, O Imaginário parte de Porto Velho numa jornada de 18 dias rumo à Chapada dos Guimarães. Além das apresentações e oficinas, o grupo pretende estabelecer com o público e os grupos locais um diálogo sobre as artes públicas de rua e a cena contemporânea na Amazônia.

Essa não é a primeira vez que o grupo parte numa caravana teatral: em 2010, no projeto Banzeirando, as estradas foram as águas dos rios Madeira e Amazonas, numa jornada de 30 dias de Porto Velho a Manaus, com espetáculos, oficinas e vivências, partilhados com a população ribeirinha de cada localidade onde atracavam. Em 2007, o tema "trilhas de Rondon" surgiu para o grupo pela primeira vez através da realização de uma caravana que levou o espetáculo O Mistério do Fundo do Pote Ou de Como Nasceu a Fome a cidades do Acre, Rondônia e Mato Grosso.

A caravana teatral “Nas trilhas de Rondon - 100 Anos de História” será realizada em uma única etapa, que terá início dia 13 de fevereiro na cidade de Porto Velho, com duas apresentações da peça A Ferrovia dos Invisíveis - Narrativas do Outro Lado. Logo depois, a viagem se inicia rumo ao interior de Rondônia, passando por Candeias do Jamari, Itapuã do Oeste, Ariquemes, Jaru, Ouro Preto do Oeste, Ji-Paraná, Presidente Médici, Cacoal, Pimenta Bueno e Vilhena. Seguindo pela BR 364, as próximas paradas são Comodoro, Pontes e Lacerda, Porto Esperidião, Cáceres e Cuiabá, finalizando na Chapada dos Guimarães.

Serão 17 cidades, mais de 3 mil quilômetros percorridos e 2 Capitais, para um público estimado de 7 mil espectadores, levando o teatro a praças, quadras de escolas e centros culturais. Este projeto foi aprovado pelo Edital Funarte Myriam Muniz de Fomento ao Teatro de 2012.

Os espetáculos apresentados fazem parte do repertório do grupo: Memórias de Guerra, uma intervenção urbana apresentada no VII FESTCAL em São Paulo, e Psiu, O Quarteto Tá Chegando!, sua mais recente criação e estreia do grupo nas artes circences e de palhaçaria. Em Vilhena esses espetáculos serão apresentados dia 24 de fevereiro, às 20h, na Praça Padre Ângelo Espadari e no dia seguinte(25 de fevereiro) o grupo estará em Comodoro às 16h e 20h na Praça Central.


Fonte: O Imaginário


quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

OFICINA DE ROTEIRO TEATRAL

divulgação

O grupo de Teatro Wankabuki abre inscrições para a I Oficina de Iniciação ao Roteiro Teatral.

Estão abertas as inscrições para a Oficina de Iniciação ao Roteiro Teatral, de 24 de janeiro a 15 de fevereiro. Os interessados em participar devem acessar o blog do grupo de Teatro Wankabuki e ler o Regulamento da Oficina. Após a leitura do regulamento os interessados devem preencher a Ficha de Inscrição e enviar.

A oficina faz parte de um projeto que o grupo de teatro irá desenvolver durante o ano de 2013. Em janeiro foi realizada a V Oficina de teatro Cena Aberta que é parte deste projeto. As aulas da Oficina de Roteiro acontecerão uma vez por semana, aos sábados, das 15h00min às 18h00min, durante o mês de fevereiro e março. Nos encontros, os alunos irão conhecer técnicas para desenvolver a escrita de roteiros, mais especificamente, voltados para o teatro. 

Ao final da Oficina, o aluno deverá ter ferramentas para produzir um texto teatral, neste caso a proposta é escrever um monólogo. Os participantes devem ter em mente que esta oficina é específica para aquelas pessoas que possuem interesse na escrita de textos e apreciam a leitura, pois durante a oficina além das aulas presenciais, deverão ler uma bibliografia sugerida.


Após a leitura do regulamento, preencha a Ficha de Inscrição clicando aqui.

INSCRIÇÕES ENCERRADAS
    

Obrigado por visitar a página!

O grupo de Teatro Wankabuki surgiu na Universidade Federal de Rondônia, em agosto de 2003, começaram as reuniões aos sábados no auditório da Unir.O primeiro espetáculo montado pelo grupo foi Morte e Vida Severina uma adaptação do texto de João Cabral de Melo e Neto, feita por Luiz Antônio de Araújo.Em seguida, o grupo montou A Lenda da Ecologia texto do Prof. Oswaldo Gomes que estreou em 20 de julho de 2005. A peça participou do Festival de Teatro Coração de Rondônia, no município de Ji-paraná em agosto desse ano.Em 2006 são montados mais dois espetáculos: Vai, Carlos! Ser Gauche na vida que estréia em 07 de abril e Tragédia no lar apresentado pela primeira vez na escola Wilson Camargo para os alunos do período noturno. Os dois espetáculos são adaptações das poesias, respectivamente, de Carlos Drummond de Andrade e Castro Alves. Em 2009, estreia Perdidos na Floresta texto de Antero de Sales e o grupo inicia os trabalhos para se institucionalizar, em janeiro de 2010, o grupo de Teatro Wankabuki consegue seu registro, com a Razão social de ATEW - Associação de Teatro e Educação Wankabuki.







Quem sou eu

Minha foto
Lacunas que a vida não completa, são como obras esperando ser escritas, preenchidas...