Páginas

Seja Bem Vindo!

"A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas, não é copiar sua aparência. (Aristóteles)






segunda-feira, 2 de junho de 2014

Wankabuki participa do Projeto Dramaturgia Leituras em Cena

Atores do Wankabuki na Leitura Dramatizada de Navalha na Carne
No último fim de semana, os atores do grupo de Teatro Wankabuki participaram de mais uma etapa do projeto Dramaturgia Leituras em Cena, realizado pelo SESC/RO. Essa é a quarta edição do projeto em Vilhena, a primeira etapa ocorreu no mês de abril, com a oficina oferecida pelo oficineiro Francis Madson, bailarino, ator, diretor teatral, vindo de Manaus(AM). O projeto objetiva, além de estimular a prática da leitura e a difusão de textos teatrais consagrados e de autores locais, instrumentar e chamar a atenção de diretores e atores para as potencialidades cênicas ou novos ângulos de uma determinada obra.  
Dois perdidos numa noite suja
O autor homenageado nessa edição foi Plínio Marcos, escritor renovador dos padrões dramatúrgicos, através de um enfoque quase naturalista que imprime aos diálogos e situações em suas peças, sempre cortantes e carregados de gírias de personagens oriundas das camadas sociais periféricas, torna o palco, a partir dos anos 60, uma feroz arena de luta entre indivíduos sob situações de subdesenvolvimento. Teve muitas de suas peças censuradas pela ditadura militar.  No ano em que completa 50 anos do golpe militar no Brasil, o SESC/RO relembra os fatos ocorridos através da dilacerante obra de Plínio.
Abajus Lilás
Entre as obras do autor, em Vilhena, iniciou-se a primeira noite, 31 de maio, às 19h30min, com Dois Perdidos numa noite suja(1966), com os atores Dholiman Balestrin e Maycon Moura dirigidos por Elieldo Paes. E em seguida, Abajur Lilás(1969), com Amanda Conci, Dennis Weber, Evelys Destro, Fernando Júnior e Valdete Sousa na leitura e na direção. Na segunda noite(01/06), as obras escolhidos foram Navalha na Carne(1967) com Dennis Weber, Fernando Júnior e Valdete Sousa na Leitura e Direção; e Quando as máquinas param(1967) com Amanda Conci e Elieldo Paes dirigidos por Dholiman Balestrin.
Quando as máquinas param
O local escolhido para a leitura fundia-se com a obra de Plínio, um prédio abandonado no centro da cidade, um apartamento no último andar e o espaço do terraço serviram de cenário perfeito para ambientar os quatro textos. O público que acompanhou as leituras envolveu-se no universo de Plínio, desde o primeiro degrau dos 84 que precisavam subir para chegar ao local do espetáculo.

A cada realização desse projeto, podemos avaliar a evolução dos atores que participam desde a primeira edição, o SESC/RO está promovendo a capacitação de atores no município de Vilhena e motivando-os para buscar novos conhecimentos na área das artes cênicas. 
Que venha a próxima oficina! Evoé meus amigos! Evoé!

   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente as nossas postagens, participe do blog!

Obrigado por visitar a página!

O grupo de Teatro Wankabuki surgiu na Universidade Federal de Rondônia, em agosto de 2003, começaram as reuniões aos sábados no auditório da Unir.O primeiro espetáculo montado pelo grupo foi Morte e Vida Severina uma adaptação do texto de João Cabral de Melo e Neto, feita por Luiz Antônio de Araújo.Em seguida, o grupo montou A Lenda da Ecologia texto do Prof. Oswaldo Gomes que estreou em 20 de julho de 2005. A peça participou do Festival de Teatro Coração de Rondônia, no município de Ji-paraná em agosto desse ano.Em 2006 são montados mais dois espetáculos: Vai, Carlos! Ser Gauche na vida que estréia em 07 de abril e Tragédia no lar apresentado pela primeira vez na escola Wilson Camargo para os alunos do período noturno. Os dois espetáculos são adaptações das poesias, respectivamente, de Carlos Drummond de Andrade e Castro Alves. Em 2009, estreia Perdidos na Floresta texto de Antero de Sales e o grupo inicia os trabalhos para se institucionalizar, em janeiro de 2010, o grupo de Teatro Wankabuki consegue seu registro, com a Razão social de ATEW - Associação de Teatro e Educação Wankabuki.







Quem sou eu

Minha foto
Lacunas que a vida não completa, são como obras esperando ser escritas, preenchidas...